4jun/210

Anvisa aprova importação da Sputnik V e Covaxin com regras e quantidades risíveis

Anvisa liberou importação do equivalente a 1% da população e sugeriu que seja avisado que as vacinas não têm autorização de uso emergencial

A diretoria da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou nesta sexta (4) a importação das vacinas Sputnik V (russa) e Covaxin (indiana) em caráter excepcional e com regras e quantidades no mínimo frustrantes.

Por quatro votos a um, a Anvisa liberou a importação do equivalente a apenas 1% da população brasileira e chegou a sugerir que a população seja avisada que as vacinas sequer têm autorização de uso emergencial.

Somados, Ministério da Saúde e governos Estaduais haviam solicitado a aquisição de 75,5 milhões de doses das duas vacinas, sendo 55,5 milhões da Sputnik V e 20 milhões da Covaxin. A Anvisa autorizou apenas 4 milhões da Covaxin e míseras 928 mil da Sputnik V.

Além da quantidade baixa de importação autorizada, a Anvisa deu uma de Pfizer e avisou que será criado um termo de compromisso para que os governadores assinem se responsabilizando, como importadores, por situações decorrentes da aplicação dos imunizantes.

Entre as contraindicações estão a recomendação para que grávidas, soropositivos (HIV), pessoas com doenças crônicas não controladas ou com histórico de anafilaxia não tomem a vacina.

Segundo técnicos da agência, as restrições são mais abrangentes. O gerente-geral de medicamentos, Gustavo Mendes, disse que a vacina “não deverá ser utilizada por pessoas com hipersensibilidade a qualquer um dos componentes da fórmula, grávidas, lactantes, menores de 18, mulheres em idade fértil que querem engravidar, enfermidades graves ou não controladas e antecedentes de anafilaxia”.

Não poderão ser vacinadas com a Sputnik V ou Covaxin quem possui qualquer comorbidade ou que tenha recebido outra vacina de covid, entre outras doenças como hepatites B e C.

De acordo com Mendes, pessoas que fizeram tratamentos de sangue até três meses antes, ou que tenham feito tratamentos com imunossupressores, quimioterapia ou radioterapia não devem ser vacinadas. Diário do poder

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn