6jun/120

Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha é referência em sustentabilidade

Deputados, senadores e outras autoridades elogiaram o projeto da ecoarena onde foi lançado o Grupo de Trabalho Sustentabilidade na Copa do Mundo de 2014

Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha é referência em sustentabilidade

O Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha recebeu, nesta quarta-feira, a visita de deputados, senadores e outras autoridades para o lançamento do Grupo de Trabalho Sustentabilidade na Copa do Mundo de 2014. Formado por nove parlamentares e nove membros da sociedade civil, o grupo tem a missão de fiscalizar os estádios que receberão os jogos, elaborar relatórios e a partir daí fazer sugestões. O governador Agnelo Queiroz recepcionou os convidados.

“É uma honra recebê-los no Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha com a motivação de acompanhar a área de sustentabilidade na Copa, que é central no nosso estádio. O projeto foi, desde sua concepção, direcionado à conquista do Leed Platinum, o selo máximo de sustentabilidade. Essa iniciativa vai agregar valor ao nosso estádio. Com essa certificação seremos referência em todo o mundo, estimulando práticas sustentáveis em outras construções”, destacou o governador.

Antes de percorrer as obras do estádio, a comitiva assistiu a uma apresentação do arquiteto Vicente de Castro Mello, co-autor do projeto, sobre o processo de construção e os potenciais do empreendimento. O arquiteto ressaltou a importância da pesquisa que antecedeu o projeto, com visita a 30 estádios em 18 capitais. Segundo ele, foi feito um estudo bioclimático no DF, de forma a otimizar as tecnologias verdes.

“Os principais diferenciais dessa arena são a economia e o custo de manutenção da construção. Cerca de 80% da demanda por água virá do aproveitamento da água da chuva e a energia solar captada irá suprir até 100% da energia. Sem dúvida o Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha atende aos princípios econômico, ambiental e social, por meio de operação eficiente, baixo impacto e educação da população”, afirmou Vicente.

A estimativa, de acordo com o arquiteto, é de que dentro de 10 anos o valor do investimento na sustentabilidade do estádio seja pago, e, em 25 anos, a ecoarena comece a gerar lucro, com economia anual avaliada em R$ 7 milhões. Todos os estádios da Copa estão empenhados na conquista de certificação ambiental, mas apenas o de Brasília poderá alcançar o nível máximo de certificação.

O vice-presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) no centro-oeste, Weber Magalhães, presenteou o governador Agnelo Queiroz com uma camisa oficial da Seleção Brasileira e o parabenizou pelo estádio. “As obras em Brasília estão com o cronograma acelerado para conclusão desse estádio fantástico. A cidade possui uma capacidade enorme para fazer da Copa do Mundo de 2014 um marco em nossa região”, salientou.

Avaliação positiva – O Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha foi a primeira entre as arenas das cidades-sede da Copa do Mundo a ser visitada. Os parlamentares percorreram as obras do estádio, que estão 59% concluídas, e aprovaram o projeto e o andamento da construção.

“Uma arena como essa servirá não apenas para o esporte ou para shows, mas também como referência mundial e atração turística para a cidade. A partir dessa visita, esperamos que as práticas sustentáveis sejam replicadas, pois essas iniciativas merecem ser incorporadas às nossas construções”, disse o presidente da Frente Parlamentar Ambientalista, deputado Sarney Filho.

O integrante do Comitê Organizador Local da Copa do Mundo de 2014, deputado federal Romário, elogiou o empenho do Governo do Distrito Federal e dos operários da obra. “O Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha já é uma realidade. Junto com o de Fortaleza, esse estádio será exemplo para a construção das próximas arenas. Trata-se de um estádio ultramoderno que será capaz de receber os jogos e servirá como atrativo turístico”, defendeu Romário.

 

fonte: Agência Brasilia