4jun/210

Anvisa aprova importação da Sputnik V e Covaxin com regras e quantidades risíveis

Anvisa liberou importação do equivalente a 1% da população e sugeriu que seja avisado que as vacinas não têm autorização de uso emergencial

A diretoria da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou nesta sexta (4) a importação das vacinas Sputnik V (russa) e Covaxin (indiana) em caráter excepcional e com regras e quantidades no mínimo frustrantes.

Por quatro votos a um, a Anvisa liberou a importação do equivalente a apenas 1% da população brasileira e chegou a sugerir que a população seja avisada que as vacinas sequer têm autorização de uso emergencial.

Somados, Ministério da Saúde e governos Estaduais haviam solicitado a aquisição de 75,5 milhões de doses das duas vacinas, sendo 55,5 milhões da Sputnik V e 20 milhões da Covaxin. A Anvisa autorizou apenas 4 milhões da Covaxin e míseras 928 mil da Sputnik V.

Além da quantidade baixa de importação autorizada, a Anvisa deu uma de Pfizer e avisou que será criado um termo de compromisso para que os governadores assinem se responsabilizando, como importadores, por situações decorrentes da aplicação dos imunizantes.

Entre as contraindicações estão a recomendação para que grávidas, soropositivos (HIV), pessoas com doenças crônicas não controladas ou com histórico de anafilaxia não tomem a vacina.

Segundo técnicos da agência, as restrições são mais abrangentes. O gerente-geral de medicamentos, Gustavo Mendes, disse que a vacina “não deverá ser utilizada por pessoas com hipersensibilidade a qualquer um dos componentes da fórmula, grávidas, lactantes, menores de 18, mulheres em idade fértil que querem engravidar, enfermidades graves ou não controladas e antecedentes de anafilaxia”.

Não poderão ser vacinadas com a Sputnik V ou Covaxin quem possui qualquer comorbidade ou que tenha recebido outra vacina de covid, entre outras doenças como hepatites B e C.

De acordo com Mendes, pessoas que fizeram tratamentos de sangue até três meses antes, ou que tenham feito tratamentos com imunossupressores, quimioterapia ou radioterapia não devem ser vacinadas. Diário do poder

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
1jun/210

Avanço: PIB do Brasil surpreende, cresce 1,2% no 1º trimestre e sinaliza até 5% em 2021

Levantamento do IBGE anima agentes econômicos, que prevêem crescimento expressivo em 2021

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou nesta terça-feira (1º) que o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil cresceu 1,2% no primeiro trimestre de 2021 (comparado ao quarto trimestre de 2020), na série com ajuste sazonal. Frente ao mesmo trimestre de 2020, o PIB apresentou crescimento de 1,0%.

O PIB do primeiro trimestre dá sentido à projeção do governo e do próprio mercado, que preveem crescimento de 4,5% ou mesmo de 5%, como no caso dos economistas do banco Itaú Unibanco.

No acumulado nos quatro trimestres, terminados em março de 2021, o PIB reduziu a queda anual para 3,8%, comparado aos quatro trimestres imediatamente anteriores. Em 2020, o PIB caiu 4,1%.

Em valores correntes, o PIB no primeiro trimestre de 2021 totalizou R$ 2,048 trilhões, sendo R$ 1,753 trilhão referente ao Valor Adicionado (VA) a preços básicos e R$ 294,7 bilhões aos Impostos sobre Produtos líquidos de Subsídios.

Período de comparação Indicadores
PIB AGROP INDUS SERV FBCF CONS. FAM CONS. GOV
Trimestre / trimestre imediatamente anterior (com ajuste sazonal) 1,2% 5,7% 0,7% 0,4% 4,6% -0,1% -0,8%
Trimestre / mesmo trimestre do ano anterior (sem ajuste sazonal) 1,0% 5,2% 3,0% -0,8% 17,0% -1,7% -4,9%
Acumulado em quatro trimestres / mesmo período do ano anterior (sem ajuste sazonal) -3,8% 2,3% -2,7% -4,5% 2,0% -5,7% -5,7%
Valores correntes no 1º trimestre (R$) 2,0 trilhões 208,8 bilhões 348,6 bilhões 1,2 trilhão 397,5 bilhões 1,2 trilhão 359,5 bilhões
Taxa de investimento (FBCF/PIB) no 1° trimestre de 2021 = 19,4%
Taxa de Poupança (POUP/FBCF) no 1º trimestre de 2021 = 20,6%

No primeiro trimestre de 2021, a taxa de investimento foi de 19,4% do PIB, acima da observada no mesmo período de 2020 (15,9%).

Principais resultados do PIB a preços de mercado do 1º Trimestre de 2020 ao 1º Trimestre de 2021 (%)
Taxas (%) 2020.I 2020.II 2020.III 2020.IV 2021.I
Acumulado ao longo do ano / mesmo período do ano anterior -0,3 -5,6 -5,0 -4,1 1,0
Últimos quatro trimestres / quatro trimestres imediatamente anteriores 1,0 -2,1 -3,4 -4,1 -3,8
Trimestre / mesmo trimestre do ano anterior -0,3 -10,9 -3,9 -1,1 1,0
Trimestre / trimestre imediatamente anterior (com ajuste sazonal) -2,2 -9,2 7,8 3,2 1,2
Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Contas Nacionais

PIB tem alta de 1,2% em relação ao trimestre imediatamente anterior

O PIB cresceu 1,2% na comparação do primeiro trimestre de 2021 contra o quarto trimestre de 2020, na série com ajuste sazonal. Houve taxas positivas na Agropecuária (5,7%), Indústria (0,7%) e Serviços (0,4%). Diário do poder

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
31maio/210

Oposição não dará sossego a Iolando, mas admitem que só ele tem chances em Brazlândia

O cenário político na cidade de Brazlândia já dá uma demonstração clara de que não haverá fatos novos pelo menos até eleição de 2022. Os pré-candidatos que hoje fazem oposição ao atual deputado da região Iolando Almeida, planejam se unir no sentido de destruir a reputação política do parlamentar do PSC e assim evitar a sua reeleição.

Os opositores ao distrital acreditam que a única forma de impedir a reeleição de Iolando seria o lançamento do maior número de futuros candidatos dentro da cidade e com isso dividir a base eleitoral do parlamentar na hora do voto.

Entre a maioria dos pré-candidatos lançados até esse momento não se esconde que o distrital Iolando Almeida é o único  que tem chances reais em 2022;" Sei que não somos páreos para o Iolando. Mas vamos tentar desgasta-lo para deixar Brazlândia sem deputado", declarou um pré-candidato que pediu anonimato.

Redação

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
30maio/210

Fracasso em manifestações contra Bolsonaro preocupa esquerda

Protestos contra o governo em Brasília têm pouca adesão e aglomerações

Em São Paulo os manifestantes toamram a Avenida Paulista. em outras cidades porém a adesão não foi tão intensa e viraram alvo de ironia nas redes sociais

Por Hélio Rosa

Os atos foram convocados pelos partidos de esquerda (PT, PSOL, REDE…) e centrais sindicais, inimigos declarados do governo Bolsonaro. Empunhando as clássicas bandeiras vermelhas e gritando palavras de ordem contra o presidente manifestantes se reunirão em diversas cidades do país.

Em São Paulo, berço das centrais sindicais e do Partido dos Trabalhadores, conseguiu reunir mais simpatizantes, chegando a interromper o fluxo na Avenida Paulista.

Por outras capitais a adesão foi mais baixa e não se viram tantos manifestantes. No Recife e em Belo Horizonte houve confronto e a polícia militar teve de intervir.

Na capital Goiana pouco mais de mil manifestantes foram a rua, como noticiou o site Mais Goiás, em seu perfil no Instagram.

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
29maio/210

A pedido de Bolsonaro Auxílio-emergencial deve ser prorrogado e poderá passar dos R$500

Decisão foi estimulada pelos sinais de recuperação da economia, com recordes de arrecadação

O presidente Jair Bolsonaro autorizou estudos para prorrogar o auxílio emergencial, mas com aumento do seu valor, ao mesmo tempo em que se definem o novo formato e valor do Bolsa Família, que deve ser rebatizado de Renda Brasil.

A decisão foi estimulada pelos sinais de recuperação da economia, com recordes de arrecadação.

O desejo do presidente é que o maior valor do auxílio emergencial, hoje R$375, passe no mínimo R$500, podendo chegar àqueles R$600 pagos em 2020. A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

O ministro Paulo Guedes (Economia) admitiu estender o auxílio durante evento virtual, nesta quinta (27), mas não citou alteração nos valores.

Com orçamento limitado, Bolsonaro admitiu a redução de valores, mas um ministro com gabinete no Planalto diz que ele “nunca se conformou”.

As consequências políticas do aumento do auxílio, mas para valores que façam a diferença, entusiasmam a equipe econômica.

A expectativa é que os indicadores de popularidade do presidente e de aprovação do seu governo voltem a subir substancialmente. Diário do poder

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
28maio/210

Ibaneis só comparecerá à “CPI da Politicagem” do Senado se quiser

Ibaneis, bem como todos os outros governadores e prefeitos, além do presidente Bolsonaro só comparecerão ao circo da CPI se quiserem; os senadores sabem disso

Todos os  governadores convocados ilegalmente pelo palanque politiqueiro da CPI da Covid, instalada no Senado, só comparecerão se quiserem.

O artigo 50 da Constituição veda a CPI de convocar os chefes do Executivo estaduais e municipais, além do  Presidente da República.

Apesar de a CPI da Covid ser formada por 11 membros titulares e sete suplentes, coube apenas ao senador de primeiro mandato, Alessandro Vieira, do estado de Sergipe, a se transforar  no “barriga de aluguel”, para atender aos interesses ligados a ele próprio e de alguns colegas de fora e de dentro da própria CPI.

Como advogado e profundo conhecedor das leis, o governador do Distrito Federal Ibaneis (MDB), sabe que embora o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), esteja querendo convocar Bolsonaro, bem como o senador sergipano querendo puxar governadores e prefeitos para dentro da CPI, o Artigo 50 da Constituição Federal exclui dessa obrigação o Presidente da República, na qualidade de Chefe do Poder Executivo.

O mesmo Artigo 50, também se  aplica para inviabilizar qualquer convocação dos chefes dos Poderes Executivos estaduais e municipais.

Caso seja aprovada a convocação do presidente Bolsonaro, como deseja os seus  opositores, fatalmente a questão será levada as barras do Supremo Tribunal Federal (STF), já que  CPI não tem poderes para  realizar tal convocação.

Assim, deve trilhar pelo mesmo caminho as convocações aprovadas dos nove governadores e dos vários prefeitos, entre eles o de Aracaju, de quem o senador barriga de aluguel Alessandro Vieira, é inimigo político

O astuto senador Renan Calheiros (MDB-AL) foi contra a convocação de governadores e prefeitos pela CPI.

O relator da CPI, que já foi presidente do Senado, reiterou com veemência a inconstitucionalidade das convocações, aproveitando para puxar o escudo a seu favor, por ser pai do governador do seu estado e não permitiu que fosse  convocado.

Voltando a Ibaneis Rocha, o governador do DF não é alvo de nenhuma investigação.

Além disso, o seu governo tem contribuído na apuração de um suposto desvio de recursos públicos que teria sido praticado por ex-integrantes da pasta da saúde do Distrito Federal.

É notório que a convocação de  governadores faz parte apenas do jogo político eleitoreiro dos adversários de olho em 2022,  principalmente aqueles que dão uma de “papagaio de pirata” da CPI, mesmo sem fazer parte dela.

Fonte: Radar Notícias

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
27maio/210

VERGONHA!!! Para blindar Toffoli, STF anula delação de Cabral

O STF, para blindar o ministro Dias Toffoli que foi delatado por Sérgio Cabral, simplesmente anulou a delação do ex-governador do RJ com os votos de Lewandowski, Kassio, Gilmar, Fachin, Moraes e FUx, que deu o voto de Minerva.

Detalhe: Roberto Jefferson disse certa vez que Fux beijou os pés da esposa de Cabral para agradecê-la por defender sua indicação ao STF. Pagamento de dívida?

Faltam mesmo caráter, pudor, respeito ao Judiciário e patriotismo para os atuais supremos ministros que pensam ser deuses no Olimpo. E povo paga a conta!

Donnysilva

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
27maio/210

Economia: Itaú aumenta para 5% a expectativa de crescimento do PIB do Brasil em 2021

Entre abril e junho a atividade econômica deverá crescer 0,6%, e não mais cair 0,1%

O Itaú Unibanco elevou muito as suas projeções e agora vê crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 5% em 2021, ante estimativa anterior de 4%. O próprio presidente Jair Bolsonaro mencionou também nesta quinta-feira (27) a expectativa de crescimento de 4% do PIB neste ano.

Para o primeiro trimestre, a previsão do Itaú é de aumento de 0,6%, enquanto entre abril e junho a atividade deverá crescer 0,6%, e não mais cair 0,1%. O IBGE divulga o PIB do primeiro trimestre em 1º de junho.

O setor de serviços, o de maior peso no PIB, deverá mostrar recuperação mais forte no segundo trimestre, efeito do relaxamento em medidas de restrição a mobilidade. O banco projeta crescimento de 11,7% em abril e 30,9% em maio (com ajuste sazonal ante o mês anterior) para o componente de serviços prestados a famílias da Pesquisa Mensal de Serviços (PMS), que tem relação importante com o PIB do setor.

Com base nos prognósticos para os dois primeiros trimestres do ano, o carrego estatístico para o crescimento de 2021 já será de +4,6%. Ou seja, mesmo se a atividade econômica ficasse estagnada no segundo semestre, o crescimento de 2021 já seria mais próximo de 5% do que de 4%, disse o banco.

Mas no segundo semestre o Itaú prevê crescimento de 0,7% do PIB em cada um dos trimestres.

“Avaliamos que o setor de serviços deve continuar crescendo ao longo do segundo semestre à medida que a vacinação avançar”, disse o Itaú em relatório, que cita ainda a menor dependência das atividades de consumo de bens (vendas no varejo, produção industrial) a restrições de mobilidade.

“Tudo isto reforça nossa visão de que os efeitos econômicos de possíveis pioras da pandemia tendem a ser significativamente menores do que o observado na primeira onda.”

Com a expectativa de atividade mais aquecida, o Itaú revisou ainda a projeção de taxa de desemprego ao final do ano de 12,7% para 12,3%. “Esta projeção envolve maior grau de incerteza do que o usual, porque implicitamente assumimos que os dados da Pnad Contínua ficarão mais consistentes com as nossas próprias medidas de evolução do mercado de trabalho.”

O IBGE divulgou mais cedo que a taxa de desocupação chegou a 14,7% nos três meses até março, de 13,9% nos últimos três meses de 2020, atingindo 14,805 milhões de pessoas –a maior taxa de desemprego e o maior contingente de pessoas sem trabalho na série histórica. Diário do poder.

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
27maio/210

Eleições no DF: Peças ainda fora do tabuleiro

 

 

Alguns analistas políticos gostam de se valer da imagem do xadrez para tecer suas considerações sobre o jogo político. Na realidade candanga, o jogo indiano de tabuleiro, Pachisi, conhecido por aqui por Ludo, parece ser mais adequado. Assim como a bandeira do Distrito Federal, o Ludo possui quatro quadrantes onde se posiciona cada time. Todos têm por objetivo chegar ao Buriti, digo, ao centro do tabuleiro, e no meio do caminho os jogadores – ou players políticos – podem ser atingidos e obstruídos pelos adversários. Ganha o jogo, quem conseguir levar toda sua equipe, mais rapidamente, ao centro do poder.

 

As eleição de 2022, além da polarização entre Lula e Bolsonaro trarão regras novas. Proibição de coligações para deputados federais, estaduais e distritais e a necessidade de que cada partido, sozinho agora, obtenha, ao menos, 2% dos votos válidos, distribuídos em pelo menos um terço das unidades da Federação, ou conseguir eleger 11 deputados federais distribuídos em nove estados. Pelo desempenho eleitoral apresentado nas eleições municipais de 2018, dos 33 partidos existentes, pelo menos dezesseis correm sério risco de desaparecer. Por isso, muitos partidos, em especial os de porte médio e pequeno, tendem a reforçar as nominatas de candidatos à Câmara Federal em detrimento de outras postulações. Além disso, as chapas nacionais devem exercer localmente forte influência, inclusive aqui em Brasília.

Alguns analistas políticos gostam de se valer da imagem do xadrez para tecer suas considerações sobre o jogo político. Na realidade candanga, o jogo indiano de tabuleiro, Pachisi, conhecido por aqui por Ludo, parece ser mais adequado. Assim como a bandeira do Distrito Federal, o ludo possui quatro quadrantes onde se posiciona cada time. Todos têm por objetivo chegar ao Buriti, digo, ao centro do tabuleiro, e no meio do caminho os jogadores – ou players políticos – podem ser atingidos e obstruídos pelos adversários. Ganha o jogo, quem conseguir levar toda sua equipe, mais rapidamente, ao centro do poder.

Assim como a bandeira do Distrito Federal, o ludo possui quatro quadrantes onde se posiciona cada time. Todos têm por objetivo chegar ao Buriti, digo, ao centro do tabuleiro, e no meio do caminho os jogadores – ou players políticos – podem ser atingidos e obstruídos pelos adversários.

No tabuleiro, existem quatro peões ou cavalos de cada jogador, um de cada cor (azul, verde, amarelo e vermelho). Versões antiques ilustram cada quadrante do tabuleiro com animais sagrados indianos: tigre, elefante, cavalo e a vaca. No Ludo, ou Pachisi, candango a fase é de preparar os times. Na política real, serão apenas três: governador, vice e senador. Esses serão os únicos cargos que nessas eleições permitirão a coligação de dois mais partidos. Para deputados federais e distritais, cada partido terá que contar exclusivamente com suas forças.

Por enquanto, apenas o time azul, que vamos atribuir a Ibaneis Rocha (MDB), se posicionou no tabuleiro. E mesmo assim, parcialmente, pois somente o governador já se decidiu candidatar, mas não confirmou nenhum parceiro. A ministra Flávia Arruda (PL), esposa do ex-governador José Roberto Arruda – que acaba de ter confirmada pelo TJDF mais uma condenação ainda por conta do Mensalão do Democratas ou escândalo da Caixa de Pandora – tem sido cortejada. Celina Leão (PP), também. A ideia seria ter as duas numa coligação, o que atribuiria um bom tempo de propaganda eleitoral e recursos do Fundo Eleitoral para Ibaneis. E deixaria de lado o atual vice, Paco Brito (Avante).

Mesmo já posicionado no tabuleiro, nem tudo está claro pra Ibaneis. Lideranças de raiz do próprio MDB não estão satisfeitas com a postura dele para com o partido e até consideram a possibilidade de não lhe conceder a legenda. Isso seria ainda mais factível se o MDB nacional vier a fechar com a candidatura Lula, como o fez em 2010, com Dilma Roussef. É um cenário difícil de acontecer – um racha do MDB nacional é mais provável – mas não está de todo descartado. O MDB local também pode vir a apoiar outros players no tabuleiro.

Ibaneis tem ciência de que não é bem visto e tem feito sondagens em outras legendas – como o Partido Progressista de seu conterrâneo, o senado Ciro Nogueira –, para ver se encontra nova morada, caso fique impossível a sua permanência no MDB. Ele vem perdendo pontos com escândalos, como as irregularidades na secretaria de Saúde, que levaram seu ex-secretário, Francisco Araújo pra Papuda, e também os regalitos para o Piauí, como a transferência de R$ 7 milhões do “orçamento secreto”, vulgo “bolsolão”, que tinham como destino o Distrito Federal e equipamentos de proteção individual da secretaria de Saúde do DF. Agora, terá que depor na CPI da Pandemia e esclarecer como gastou as verbas federais pra Saúde.

Um maior desgaste de Ibaneis, pode fazer com que Flávia Arruda não feche chapa com ele e se lance ela mesmo ao Buriti ou opte pelo Senado. “Arruda (José Roberto) é uma raposa experta e não vai deixar que sua esposa entre numa barca furada” – analisa outra velha raposa, essa do próprio MDB.

A arquitetura que se monta entre PT e uma ala do PSB é Leila de governadora, a vaga de vice ainda aberta e a deputada Erika Kokai (PT) para o Senado. A vaga de vice seria ofertada ao Psol, PCdoB ou mesmo ao PDT.

Peças Vermelhas

Em outro quadrante do tabuleiro, as dos jogadores vermelhos, as conversas estão em pleno vapor. Parte expressiva do Partido dos Trabalhadores defende uma frente progressista e para isso, consideram até abrir mão da cabeça de chapa. Essa postura seria a contrapartida ao apoio dos partidos envolvidos à candidatura Lula ao Planalto.

A arquitetura que se monta entre PT e uma ala do PSB é Leila de governadora, a vaga de vice ainda aberta e a deputada Erika Kokai (PT) para o Senado. A vaga de vice seria ofertada ao Psol, PCdoB ou mesmo ao PDT. “A Leila (do Volei) amadureceu bastante, tem tido bom desempenho e posicionamentos corretos no Senado. Hoje, não teríamos resistência quanto a ela encabeçar uma chapa ao GDF” – informa um alto líder do PT-DF.

O presidente do PT-DF, Jacy Afonso, reconhece que ela é um nome forte, mas salienta que o PT também tem bons nomes. “Estamos aberto ao diálogo para construir uma aliança para derrotar o Ibaneis” – diz ele. Pensamento semelhante tem a deputada distrital, Arlete Sampaio. “Pessoalmente, defendo a mais ampla aliança da esquerda e centro esquerda e acho que o PT, embora tenha nomes, pode abrir mão da candidatura ao governo” – diz ela.

Nessa escalação, há alguns problemas. Algumas das dezoito tendências internas do PT defendem a recandidatura de Erika a deputada federal e outras citam seu nome ao GDF. Geraldo Magela, que possui peso na executiva regional, anseia ser o candidato do PT ao GDF e acredita que com o crescimento da candidatura Lula à presidência, a sua seria fortalecida. Entretanto, pessoas próximas a ele, afirmam que Magela assegurou a Lula que fará no DF o que o ex-presidente achar melhor pra campanha dele.

Caso vingue a fusão entre o PCdoB e o PSB, para a criação dos Socialistas, conforme antecipou a revista Fórum, a vaga de vice teria maiores chances de ficar com o Psol, caso ele deseje integrar essa frente. Nas eleições de 2018, o PCdoB não conseguiu superar as cláusulas de barreiras e teve que se fundir ao PPL para sobreviver. Em 2022, as exigências das cláusulas de barreiras serão ainda maiores e uma fusão ao PSB, que possui 30 deputados federais, poderia ser a fórmula da sobrevivência.

Do lado do PSB, há uma resistência velada do ex-governador, Rodrigo Rollemberg, a essa dobradinha com o PT. Rodrigo alega que é cedo para qualquer articulação, que deve se esperar a definição do quadro nacional, e não vê com bons olhos a fusão com o PCdoB.

“Podemos até receber quadros do PCdoB e, mesmo do Psol, como estão pra vir o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), e o deputado federal Marcelo Freixo (Psol-RJ), mas fundir e trocar de nome, não. Se tivermos uma candidatura própria, com o governador do Espirito Santo, Renato Casagrande ou mesmo com Flávio Dino, vamos precisar de um palanque próprio na Capital Federal. Aqui em Brasília, além de Leila, há a possibilidade de Reguffe. Ambos são fortes nomes e que podem mesmo liderar candidaturas próprias” – diz o ex- governador.

“O mais importante é que não permitamos a permanência dessa turma que trouxe o GDF de volta às páginas policiais. Temos secretário de Saúde preso, operações na Casa Civil, na secretaria de Economia. Tudo isso tinha ficado no passado em meu governo e não podemos permitir o seu retorno” – salienta.

O terceiro quadrante é formado por aqueles que irão dar sustentabilidade local à candidatura de Ciro Gomes

Reflexos de Ciro no DF

O terceiro quadrante é formado por aqueles que irão dar sustentabilidade local à candidatura de Ciro Gomes. Assim, a frente progressista não deve contar com o PDT. Os herdeiros de Brizola estudam o lançamento ao Buriti de Joe Valle, ex-presidente da CLDF. A tarefa de construir um palanque candango com musculatura está nas mãos do presidente do PDT-DF, Georges Michel, mas o próprio Joe Valle tem se reunido com outras lideranças. Reguffe foi uma das que ele procurou para ter apoio, mas ouviu do senador que será candidato ao GDF.

 As conversas estão correndo soltas. O PDT quer atrair o PCdoB, o senador Reguffe (Podemos), e até mesmo Leila do Vôlei e Tadeu Filippelli (MDB), que foi vice-governador de Agnelo Queiroz. As embaixadas serão feitas ainda junto à Rede, de Leandro Grass, pois uma das opções de Ciro Gomes é ter Marina Silva como vice-presidente, e ao Partido Verde. Segundo apurou esse blog, a maioria da Rede aqui no DF acha um erro Marina sair de vice de Ciro Gomes e não quer fazer parte do palanque dele na Capital Federal.

A direção do PDT não comenta nomes, mas indica rumos. “Não apoiaremos o Ibaneis. Estamos aberto para construir uma frente antifascista. Queremos conversar, discutir, o objetivo é derrotar Bolsonaro e seus asseclas. O tempo é curto e a pandemia dificulta. Não podemos demorar” – diz Georges Michel.

Tucanato

O quarto quadrante é do tucano Izalci Lucas (PSDB) que mantém conversas estreitas com o governador de São Paulo, João Doria, potencial candidato à presidência. Em 2018, quando foi candidato ao Senado, Izalci conseguiu formar uma coligação com o Democratas, comandado pelo coronel Alberto Fraga, e com a Democracia Cristã, de José Maria Eymael. Com apoio da ala considerada de centro-direita e parcela considerável do segmento evangélico, obteve 403.735 votos, mas ficou cerca de 64 mil votos atrás de Leila. Para 2022, Izalci não dá detalhes, se limita a dizer que seu “foco agora é a vacina, dar luz à corrupção no governo local”.

Fora do tabuleiro

Do lado de fora do tabuleiro outras equipes tentam reunir musculatura para entrar no jogo. São partidos de médio e pequeno porte que normalmente entram em campo coligados a outras forças políticas.

O Psol que foi o partido que teve o crescimento de filiados mais importante nos últimos seis meses – cresceu 16,62% – enquanto no universo dos partidos em 21 deles mais de cinco mil eleitores cancelaram suas filiações. O partido vai realizar congressos local e nacional proximamente quando novas direções serão definidas e também as linhas de ação. A partir dessas definições, o partido deve ter uma posição amadurecida. Uma das propostas na mesa é somar a uma frente progressista para vencer as eleições.

Outro caso é o Cidadania – antigo PPS – que, segundo seu presidente, Chico Andrade, não descartou a ideia de candidatura própria ao GDF. Tenta convencer o ex-governador Cristovam Buarque a disputar o retorno ao GDF. A esse blog ele confidenciou não estar pensando em trocar sua vida atual por eleição ou por mandato. Outra opção é o ex-secretário de Educação do governo Ibaneis, Rafael Parente. Rafael, contudo, está comedido: “na minha visão, o ideal seria ter uma frente ampla local com o objetivo de tirar Ibaneis e os Arruda do Buriti e colocar a política e o governo do DF em outro patamar” – diz ele.

O Cidadania tem como maior desafio superar as cláusulas de barreira. Por isso tentará eleger pelo menos um federal. Atualmente, esse federal é Paula Belmonte. O futuro dela no Cidadania é incerto, pois ela e o marido, o empresário e suplente de senador Luiz Felipe Belmonte – um dos coordenadores da fundação do partido Aliança pelo Brasil, em criação para dar sustentabilidade a Jair Bolsonaro – são muitos próximos ao ideário do presidente da República.

“O Cidadania é um partido com valores de centro-esquerda, defendemos intransigentemente a democracia e repudiamos qualquer demonstração de xenofobia, discriminação ou política de ódio. Acompanhamos o viés da deputada e seu comportamento. Nós não iremos apoiar Bolsonaro. Se necessário, teremos outros nomes pra deputado federal” – disse Chico Andrade.

O plano B do Cidadania seria apoiar um candidato ao GDF de outro partido, No radar estão o senador Izalci Lucas (PSDB) com quem o Cidadania quase se coligou nas eleições passadas. A outra opção é o atual governador, Ibaneis Rocha. Embora não tenha sido uma indicação do Cidadania, o atual secretário de Cultura, Bartolomeu Rodrigues, é visto pelo partido como participação da legenda no governo.

Com relação as forças que disputaram o GDF em 2018, ainda faltam definições do PSD, de Rogério Rosso; o Novo, de Julia Lucy; a Rede, de Leandro Grass; o Dem, do coronel Alberto Fraga; o Patriotas, que incorporou o PRP, do general Paulo Chagas e outras legendas que tem por tradição orbitar em torno das campanhas mais fortes.

Fonte:  Chico Sant’Anna

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
27maio/210

Marcelo Gonçalves;” Com o trabalho do Iolando, avançamos na saúde, educação, segurança dentre outras áreas em Brazlândia. E digo onde”

Considerado o braço direito de Iolando Almeida, Marcelo Gonçalves, fala das conquistas que Brazlândia recebeu por iniciativa do parlamentar do PSC

Marcelo familia

A cidade de Brazlândia recebeu ao longo dos últimos dois anos mais de 20 milhões de investimentos. Considerado principal articulador do distrital Iolando Almeida na cidade de Brazlândia, Marcelo Gonçalves, ressalta a importância do parlamentar para a região.

Escolas reformadas  e novos estacionamentos

Com todas as escolas passando por uma transformação estrutural o aliado de Iolando Almeida acredita que a comunidade escolar certamente ficará feliz e surpresa com o tamanho dos investimentos na área da educação;" A educação está de cara nova e quando o deputado Iolando investe de forma significativa nessa área, ele demostra compromisso com o futuro da cidade e não se preocupa com as próximas eleições e sim com as próximas gerações. Ao longo desses dois anos de mandato do deputado fizemos reformas e revitalizamos 32 escolas com direito a 17 estacionamentos novos e até os auditórios das escolas do Incra 08 e  Centro 01 receberam estrutura de novas poltronas, tudo isso com as emendas do deputado Iolando. Aproveito para deixar registrado que nossa nossa biblioteca é modelo para o DF e nossa escola técnica é uma realidade hoje para atender a nossa comunidade", Disse Marcelo.

 UPA na cidade e mais profissionais para hospital

Outra área que a cidade de Brazlândia ganhou e continuará ganhando reforços certamente será a saúde pública. Segundo Marcelo Gonçalves graças ao trabalho do parlamentar da cidade algumas conquistas importantes chegaram a comunidade. Um exemplo é a UPA que em parceria com a deputada Flávia Arruda já chega a quase 70% da obra concluída e que esse ano ainda será inaugurada.

Mas a UPA foi apenas uma das importantes conquistas para Brazlândia na área da saúde, houve também a ampliação da carga horária de 75 servidores da saúde de 20 para 40h. Sem falar no acréscimo de médicos e profissionais de diversas especialidades e o tão sonhado projeto de reforma e ampliação do hospital será licitado pelo os próximos meses, garantiu Marcelo Gonçalves.

Câmeras de monitoramentos e DF 001

DF 001 concluida

Outras áreas que a cidade avançou foi na acessibilidade e segurança, pelo menos é o que afirma  o chefe de gabinete da administração de Brazlândia " Hoje temos mais de 30 câmeras de monitoramentos nos principais pontos da cidade. Claro que não podemos deixar de ressaltar o asfalto do trecho de 9km da DF 001 que liga Rodeador a Sobradinho e da ampliação das vias sentido Taguatinga/Brazlândia em fase de execução", salientou.

Asfalto em diversas áreas

Demonstrando sintonia com o que o mandato de Iolando Almeida tem feito na região de Brazlândia, Marcelo Gonçalves, declarou que o asfalto feito em diversos pontos da cidade não pode ser esquecido;" Graças as emendas do deputado Iolando Almeida fizemos a troca do asfalto do setor de oficinas, Rua do lago, entrada da cidade, rua as margens do lago no Tradicional e ampliamos o atendimento a população na construção do asfalto na comercial da Vila dos Rodoviários sem esquecer das águas pluviais e asfalto atrás da Vila Olímpica e escola técnica da nossa cidade", disse Marcelo Gonçalves.

Iolando e Ibaneis Rocha entregando escrituras em Brazlândia

Moradia digna e trabalho

Considerado temas complexos dentro da cidade de Brazlândia e porque não dizer inédito, Marcelo Gonçalves,  salienta a iniciativa  do parlamentar Iolando em duas situações importantes; emprego e moradia.

Procurado pelo o blogdogbu sobre o que vem por aí o chefe de gabinete primeiro fez comentários sobre as escrituras que uma grande parte da comunidade vem recebendo;" O deputado assim como todos nós ficamos felizes em garantir 3840 escrituras totalmente gratuitas aos nossos moradores que esperaram por décadas esse sonho. Graças ao Deputado Iolando vamos lançar o primeiro programa habitacional de Brazlândia e com isso atender 6000 famílias. Sem esquecer que está em fase de estudo definitivo por orientação do deputado Iolando e do GDF a sonhada Área de Desenvolvimento Econômico com possibilidade de atender mais de 200 empresas com geração de mais de 2000 novos empregos", declarou entusiasmado, Marcelo Gonçalves.

Iluminação de LED gera segurança

Dentre as obras que a cidade ganhou por força de emenda parlamentar, Marcelo Gonçalves cita conquistas importantes para comunidade, um exemplo é a instalação de mais de 2850 lâmpadas de led nas regiões de Brazlândia e Incra 8. Sem esquecer de 20 km de calçadas em diversos pontos da região.

Atual rodoviária vai ao chão

Nova Rodoviária será construida

Uma uma das obras importantes na avaliação de Marcelo Gonçalves que atenderá de forma substancial a comunidade de Brazlândia e  que a cidade receberá muito em breve, será a construção da nova rodoviária da cidade que substituirá a atual construída no ano de 1975.

O entusiasmo de Marcelo Gonçalves é compartilhado pelo o deputado Iolando Almeida que garantiu ao blogdogbu que outras conquistas virão;" Estarei buscando sempre o melhor para nossa Brazlândia e por todo o Distrito Federal", disse Iolando.

Redação

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
26maio/210

Biden manda investigar origem da Covid, incluindo se vazou de laboratório

Presidente norte-americano quer saber se vírus escapou de um laboratório ou se transmissão para humanos veio de um animal

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, determinou que a “comunidade de inteligência” do governo americano investigue, dentro de um prazo de 90 dias, a origem da Covid-19. Em anúncio feito nesta quarta-feira, o democrata admitiu que existem “dois cenários prováveis”: o coronavírus SARS Cov2 escapou de um laboratório de Wuhan, na China, ou um ser humano entrou em contato com um animal infectado pelo vírus.

No domingo (23), o Wall Street Journal revelou que agências de inteligência dos EUA produziram um relatório que identificou três pesquisadores do Instituto de Virologia de Wuhan adoecidos, em novembro de 2019, com sintomas compatíveis com a Covid-19. O primeiro caso confirmado pelo governo chinês foi no dia 8 de dezembro daquele ano.

Nesta quarta (23), Biden reafirmou que existem as duas teorias correntes sobre a origem da Covid, e que as agências de inteligência devem “dobrar os esforços” para determinar qual é a verdadeira. “Como parte do relatório [de inteligência], solicitei áreas de investigação adicionais que podem ser necessárias, incluindo questões específicas sobre a China”, afirmou o presidente norte-americano. A informação é do jornal USA Today

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
26maio/210

Ibaneis Rocha é convocado pela CPI da pandemia

 

Senadores optaram por chamar apenas governadores que foram alvo de ações da PF

Por Hélio Rosa

Os membros da CPI da Pandemia aprovaram convocação de 9 governadores para prestarem depoimento. Os convocados estão sendo investigados pela Polícia Federal por supostas irregularidades no uso de recursos federais para enfrentamento Covid-19.

Dentre eles está o nome chamado do chefe do Executivo do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB). Como base da oitiva será usado relatório do Tribunal de Contas da União (TCU) que apura irregularidades no uso de verba da União pelo Governo do DF (GDF) na pandemia.

Quem são os convocados:

  • Wilson Lima (Amazonas);
  • Waldez Góes (Amapá);
  • Ibaneis Rocha (Distrito Federal);
  • Helder Barbalho (Pará);
  • Coronel Marcos Rocha (Rondônia);
  • Antônio Denarium (Roraima);
  • Carlos Moisés (Santa Catarina);
  • Mauro Carlesse (Tocantins); e
  • Wellington Dias (Piauí).

Também foi convocado o ex-governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel.

Foram também reconvocados a dar explicações o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello e do atual Marcelo Queiroga.

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn