17set/210

Pesquisa realizada pelo Instituto EXATA OP coloca Ibaneis com 48,1% de aprovação

A pesquisa foi realizada entre os dias 15 e 26 de agosto e foram ouvidas 4.090 pessoas. Também foram avaliados o presidente Jair Bolsonaro e os deputados distritais. A metodologia utilizada apresenta uma margem de erro de 1% e intervalo de confiança de 98%

Governo Federal

Perguntados como avaliam o desempenho do governo Bolsonaro, 14,8% acham Ótimo, 16,6% Bom, 20% Regular, 10,9% Ruim e 35,6% acham Péssimo. Já os que não souberam responder o percentual ficou em 2,2%.

Quando a pergunta direciona para a aprovação de Jair Bolsonaro, 38,3% aprovam, 56,5% desaprovam e 5,2% não souberam responder.

Governo Local

Foto: Divulgação internet

No caso do governo local (Brasília), a avaliação de desempenho do governo Ibaneis Rocha (MDB) apresenta que 5,4% acham Ótimo seu governo, 23,9% Bom, 42,1% Regular, 11,8% Ruim e 15,3% acham Péssimo. Já os que não souberam responder o percentual ficou em 1,5%.

O governador também foi testado no quesito aprovação. O desempenho pessoal do governador apresentou os seguintes números através das pessoas ouvidas: 48,1% aprovam a pessoa de Ibaneis, 44,5% desaprovam e 7,4% não souberam responder.

Vicente Pires (66%), Lago Norte (65%), Park Way (64%) e Sobradinho (61%) são as cidades com maiores percentuais de aprovação de Ibaneis Rocha.

Deputados Distritais

Já para o caso dos deputados distritais, a pergunta girou em torno de quem se apresentava como mais atuante no desempenho de suas funções.

O deputado Chico Vigilante (PT) liderou com 8,9% seguido do presidente da Câmara, Rafael Prudente (MDB) com 4,5% dos votos dos entrevistados. Na lanterninha aparecem os deputados José Gomes (Sem partido) e Guarda Jânio (0,3%), sendo que esse último assumiu a cadeira de suplente no último dia 18 de junho, contraiu a COVID-19 e passou mais de 30 dias afastados de suas funções.

Deputado João Hermeto (MDB), Líder do Governo

Hermeto chega a 50% de aprovação

Um dado interessante nas pesquisas diz respeito ao Líder do Governo no DF, o deputado João Hermeto (MDB). Dentre todos os distritais, Hermeto foi o único a alcançar um percentual de 50% de aprovação em suas bases. No Núcleo Bandeirante e Candangolândia, suas bases mais fortes, esses percentuais ficaram em 50% e 33,3%, respectivamente. Hermeto é um exemplo de dedicação às suas comunidades e inspirou muitos dos demais 23 deputados da Casa Legislativa.

Intenção de votos para 2022

Na pesquisa ESPONTÂNEA, perguntado aos entrevistados em quem votariam nas próximas eleições para governador do DF, o atual governador Ibaneis Rocha dá um banho em seus adversários. Lidera as intenções de votos com 16,6% dos votos, deixando a segunda colocada, a deputada federal Flávia Arruda (PR) com apenas 1,3% das intenções de votos.

O senador Reguffe (Podemos), que tem a tradição de só aparecer próximo aos períodos eleitorais e que sabe-se ser um concorrente ao Buriti, aparece na pesquisa com 0,9% das intenções de votos, ficando atrás dos ex-governadores Rollemberg e Arruda.

Na pesquisa ESTIMULADA, Ibaneis novamente lidera com mais da metade das intenções de votos em relação ao segundo colocado. O atual governador aparece com 28% dos votos, enquanto a senadora Leila Barros (Cidadania) aparece com 12,3% e o senador Reguffe com 10,6%.

Deputados militares na fita

Se as eleições fossem hoje, os deputados que representam a segurança pública do Distrito Federal estariam reeleitos pelo voto direto. João Hermeto (PMDF) e Rooseevelt Vilela (PSB) apresentam um percentual de 0,5% e 0,6% de intenção de votos, ficando na 16ª e 12ª posição, respectivamente, preservando suas cadeiras.

Federais

Para o cargo de deputado federal, a pesquisa apresenta o ex-senador Cristóvam Buarque com 10% de intenção de votos, fechando as 8 vagas disponíveis com o também ex-deputado federal e atual presidente do DEM-DF, Alberto Fraga, com 4,1% de intenção de votos.

Opinião Brasília.com

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
17set/210

Bolsonaro propõe reduzir R$ 22,4 bi em benefícios fiscais até 2026

Projeto tramita no Congresso para baixar o patamar dos subsídios de 4,3% para 2% do PIB

Foto: Agência Brasil/Arquivo

O governo do presidente Jair Bolsonaro enviou ao Congresso Nacional o projeto de Lei 3203/21, que propõe a redução de R$ 22,4 bilhões de benefícios fiscais até o ano de 2026. O objetivo é reduzir o patamar dos subsídios para até 2% do Produto Interno Bruto (PIB) em um prazo de oito anos.

Os subsídios tributários concedidos pela União atingiram R$ 320,7 bilhões em 2020, o que representa 4,31% do PIB. Para este ano, a previsão de gastos tributários é de R$ 307,9 bilhões.

A proposta institui o Plano de Redução Gradual de Incentivos e Benefícios Federais de Natureza Tributária, estabelecido pela Emenda Constitucional 109, promulgada em março deste ano e conhecida como PEC Emergencial. O corte de subsídios era uma das exigências para permitir a prorrogação do auxílio emergencial.

Observe a evolução dos benefícios fiscais da União:

Arte: Agência Câmara de Notícias

Exceções

Os subsídios têm como objetivo fomentar a atividade econômica por meio da correção de falhas ou imperfeições de mercado, ou ainda combater desigualdades sociais e regionais. No entanto, esses gastos reduzem o potencial de receita e por isso afetam o resultado primário do governo federal.

Seguindo as determinações da Emenda Constitucional 109, o projeto não altera os incentivos fiscais relativos à cesta básica, às micro e pequenas empresas, à Zona Franca de Manaus, às bolsas de estudantes e outras imunidades tributárias previstas na Constituição. Esses gastos, que somam R$ 150,5 bilhões, ficariam de fora do cálculo da meta.

De acordo com este quesito, o governo teria de reduzir apenas R$ 4,2 bilhões em subsídios ou 0,06% do PIB. No entanto, a emenda constitucional também determinou um corte de no mínimo 10% nos gastos tributários, no primeiro ano. Isso equivale a R$ 15,75 bilhões.

Cinema e autopeças

Entre os benefícios fiscais que serão reduzidos estão R$ 15,3 bilhões revogados a partir de 2022 pela reforma do Imposto de Renda (PL 2337/21), aprovada pela Câmara dos Deputados e ainda em discussão no Senado.

Para cumprir o corte mínimo de 10% no primeiro ano, o PL 3203/21 também vai revogar o benefício da redução de 70% no IRRF sobre as remessas na aquisição de obras audiovisuais estrangeiras, oferecido como compensação para investir no cinema nacional, telefilmes ou minisséries brasileiras. A estimativa é que a redução no subsídio seja de R$ 297 milhões.

A proposta ainda reduz o valor de estimativas de renúncia decorrente do benefício de redução do IPI na importação de autopeças dos atuais R$ 667 milhões para R$ 469 milhões. A diferença corresponde a uma redução de R$ 198 milhões na renúncia fiscal.

As demais reduções serão feitas gradualmente, por meio da não prorrogação de outros benefícios fiscais que já tinham data certa de encerramento e que não mais serão renovados. Dessa forma, acabarão sete benefícios em 2022, quatro que findam em 2023, oito em 2024 e um com o prazo final previsto para 2025. (Com informações da Agência Câmara de Notícias)

 

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
17set/210

Conheçam os deputados federais que votaram contra PMs, bombeiros militares, promotores e juizes

Os deputados do Distrito Federal,Celina Leão-PP, Julio César- Republicanos, Israel Batista- PV e Erika Kokay- PT, votaram pela quarentena de quatro anos para policiais civis, policias militares,  bombeiros militares, juízes e promotores, que queiram se candidatar a partir de 2026.
A proposta foi aprovada por membros do centrão e da esquerda na câmara dos deputados.
Com esta aprovação o militar para participar das eleições de 2026 terá que pedir baixa da corporação até o mês de julho de 2022.
Se a proposta for aprovada no senado federal a próxima eleições será a última em que militares da ativa poderão concorrer a um cargo eletivo.
Após a divulgação da votação de cada deputado, lideranças militares foram as redes sociais demostrar sua insatisfação.
Bia Kicis-PSL, Laerte Bessa-PL, Luis Miranda-DEM e Paula Belmonte-Cidadania, votarão contra a quarentena.
Com informações do Congresso Em Foco
Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
16set/210

Câmara aprova novo Código Eleitoral com previsão de quarentena para juízes e policiais

Projeto seguirá para análise no Senado

Presidente da Câmara, Arthur Lira, comanda a sessão do Plenário

A Câmara dos Deputados concluiu, na madrugada desta quinta-feira (16), a votação do novo Código Eleitoral (Projeto de Lei Complementar 112/21). Aprovado na forma do substitutivo da relatora, deputada Margarete Coelho (PP-PI), o texto será analisado ainda pelo Senado.

O projeto consolida, em um único texto, toda a legislação eleitoral e temas de resoluções do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Na principal votação desta quarta-feira (15), o Plenário da Câmara retomou o tema da quarentena, que será exigida de certas categorias para poderem disputar as eleições.

Por 273 votos a 211, os deputados aprovaram emenda exigindo o desligamento de seu cargo, quatro anos antes do pleito, para juízes, membros do Ministério Público, policiais federais, rodoviários federais, policiais civis, guardas municipais, militares e policiais militares.

Na semana passada, o Plenário havia aprovado destaque do PSL que retirou do texto da relatora uma quarentena de cinco anos para juízes e membros do Ministério Público. Naquela votação, 254 deputados opinaram por manter a quarentena, mas eram necessários 257 votos. Para manter a isonomia, também haviam sido aprovados outros destaques retirando a exigência para as demais categorias.

Já a emenda aprovada nesta quarta-feira, assinada pelo deputado Cacá Leão (PP-BA) e outros líderes partidários, prevê que juízes e membros do Ministério Público terão de se afastar definitivamente de seus cargos e funções quatro anos antes do pleito. De igual forma, a norma valerá para policiais federais, rodoviários federais, policiais civis e guardas municipais.

Quanto a militares e policiais militares, os quatro anos deverão ser anteriores ao começo do período de escolha dos candidatos e das coligações previsto para o ano eleitoral, que começa em 20 de julho.

Entretanto, até as eleições de 2026 vale o afastamento pela regra geral, em 2 de abril do ano eleitoral.

“Quando a Constituição veda a filiação partidária, de uma forma ou de outra abre uma fenda para que haja, realmente, limitações de direitos políticos dessas categorias”, declarou a relatora.

Renúncia
Ainda em relação às situações de inelegibilidade, emenda do deputado Danilo Cabral (PSB-PE) aprovada na semana passada manteve na lei o impedimento para aqueles que renunciaram no momento de abertura de processo de perda de mandato por infringência a dispositivos constitucionais. A inelegibilidade vale para as eleições realizadas desde a renúncia e até oito anos após o término da legislatura.

Esse caso estava inicialmente de fora do texto da relatora.

Improbidade administrativa
Entretanto, outras situações de inelegibilidade serão extintas, como a que impedia a candidatura de dirigentes não exonerados de responsabilidades pela liquidação judicial ou extrajudicial de instituições financeiras.

Quanto aos que podem ser inelegíveis por terem sido excluídos do exercício da profissão por infração ético-profissional ou demitidos do serviço público por processo administrativo ou judicial, a restrição será aplicada apenas se o motivo comprometer a moralidade para o exercício de mandatos eletivos.

Para os que tiverem suas contas rejeitadas por ato doloso de improbidade administrativa em decisão irrecorrível, o texto prevê que a Justiça Eleitoral, para reconhecer a inelegibilidade, não poderá se basear em fatos que tenham sido objeto de procedimento preparatório ou inquérito civil arquivados ou de ação de improbidade extinta sem resolução de mérito, rejeitada com liminar, julgada improcedente ou julgada procedente somente em função de ato culposo.

No caso de condenações transitadas em julgado ou em segunda instância, o texto aprovado mantém a lista atual de crimes que implicam inelegibilidade, acrescentando aqueles contra a ordem tributária, contra a economia e as relações de consumo e contra o Estado Democrático de Direito.

No entanto, o período no qual a pessoa não poderá se candidatar passa a contar da condenação pelo crime e não mais a partir do fim do cumprimento da pena.

Contagem inversa valerá para o político condenado a perda de mandato, para o qual os oito anos de inelegibilidade contarão a partir da decisão e não mais a partir do término do mandato, como é hoje.

Conteúdo bloqueado
Foi aprovada emenda do deputado Bohn Gass (PT-RS) para retirar trecho do projeto que proibia provedores de redes sociais e de aplicativos de mensagens de adotarem critérios que implicassem “censura de ordem política, ideológica, artística ou religiosa de candidatos a cargos políticos”.

O trecho, segundo deputados da oposição, repete termos da Medida Provisória 1068/21, devolvida ao governo pelo presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, por tratar de temas proibidos para uma MP.

Ao mesmo tempo, a emenda incluiu no texto dispositivo prevendo que a adoção de critérios de moderação ou limitação do alcance da divulgação de conteúdos não deve ser implementada visando a desequilibrar a igualdade de condições entre candidatos a cargos políticos.

Debates eleitorais
Nesta quarta-feira, os deputados aprovaram também destaque do Psol e excluíram do texto regra para manter a bancada eleita na Câmara dos Deputados como critério para a participação em debates transmitidos por emissoras de rádio e TV. Pelo texto, têm participação garantida os candidatos de partidos com um mínimo de cinco deputados federais.

O trecho retirado determinava que fossem levadas em conta as mudanças de filiação partidária ocorridas até a data da convenção não contestadas pelo partido ou com justa causa reconhecida pela Justiça Eleitoral. Isso poderia diminuir a bancada eleita usada no critério.

Ação afirmativa
Para fins de distribuição de recursos do Fundo Partidário e do Fundo Especial de Financiamento de Campanha (FEFC), o texto prevê a contagem em dobro de votos em mulheres ou negros uma única vez por pleito.

Igual regra será aplicada na contagem de eleitos, pois esses são os dois critérios principais na repartição.

Emenda do deputado Alessandro Molon (PSB-RJ) incluiu os candidatos indígenas na contagem em dobro para fins de distribuição dos recursos do Fundo Partidário.

A contagem em dobro valerá até que ocorra paridade política como ação afirmativa. Fica mantida ainda a cota mínima de 30% de cada sexo nas candidaturas lançadas pelos partidos.

Sobras de vagas
A relatora incorporou no novo Código Eleitoral as mudanças previstas no PL 783/21 para as regras sobre as sobras de vagas. Essas sobras são as vagas para cargos proporcionais (deputados e vereadores) que poderão ser preenchidas por partidos com um limite mínimo de votos obtidos.

Poderão concorrer à distribuição das sobras de vagas apenas os candidatos que tiverem obtido votos mínimos equivalentes a 20% do quociente eleitoral e os partidos que obtiverem um mínimo de 80% desse quociente.

O quociente eleitoral é um número encontrado pela divisão do número de votos válidos pelo número de lugares a preencher em cada circunscrição eleitoral (Câmara dos Deputados, assembleias legislativas e câmaras municipais), desprezada a fração.

Para a distribuição das vagas aos mais votados, usa-se primeiramente esse critério do quociente e, só depois disso, as sobras são repartidas.

Candidaturas coletivas
O texto aprovado autoriza a prática de candidaturas coletivas para os cargos de deputado e vereador (eleitos pelo sistema proporcional). Esse tipo de candidatura caracteriza-se pela tomada de decisão coletiva quanto ao posicionamento do eleito nas votações e encaminhamentos legislativos.

O partido deverá autorizar e regulamentar essa candidatura em seu estatuto ou por resolução do diretório nacional, mas a candidatura coletiva será representada formalmente por apenas uma pessoa.

O texto permite, no entanto, que o nome do coletivo seja registrado na Justiça Eleitoral juntamente com o nome do candidato, assim como nas propagandas, se não criar dúvidas quanto à identidade do candidato registrado.

O partido definirá regras para o uso desse tipo de candidatura, especificando como ocorrerá seu financiamento e a participação da coletividade na tomada de decisão sobre os rumos e estratégias políticas da candidatura.

Na hipótese de vacância do mandato do representante da candidatura coletiva, em caráter provisório ou definitivo, tomará posse o suplente do respectivo partido político.

Com cerca de 900 artigos, o projeto do novo Código Eleitoral é resultado do grupo de trabalho de reforma da legislação eleitoral, composto por representantes de diversos partidos.

Pontos rejeitados
Confira as emendas e destaques rejeitados nesta quarta-feira:

– emenda do deputado Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG) pretendia desconsiderar decisões jurídicas ou fatos posteriores ao registro da candidatura que pudessem reverter condições de elegibilidade ou inelegibilidade do candidato;

– destaque do PDT pretendia retirar as Forças Armadas dentre as entidades listadas como fiscalizadoras dos códigos-fonte, softwares e dos sistemas eletrônicos de biometria, votação, apuração e totalização dos votos;

– emenda do deputado Wellington Roberto (PL-PB) pretendia permitir, para fins de distribuição de recursos do Fundo Especial de Financiamento de Campanha (FEFC), a contagem de deputados que mudaram de partido durante a legislatura em razão de o partido pelo qual foram eleitos não ter atingido a cláusula de desempenho;

– emenda do deputado Bohn Gass pretendia limitar os gastos de campanhas nas eleições de 2022 e 2024 a 80% dos limites definidos para as eleições de 2018 e 2020, respectivamente;

– emenda do deputado Hugo Motta (Republicanos-PB) pretendia permitir a propaganda paga à escolha do partido com recursos públicos destinados a esse fim;

– destaque do Novo pretendia retirar do texto a volta da propaganda partidária em rádio e TV;

– destaque do Republicanos pretendia permitir a propaganda eleitoral em templos;

– emenda da deputada Renata Abreu (Pode-SP) pretendia permitir o uso de outdoors na propaganda eleitoral.

Fonte: Conectado ao Poder

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
15set/210

Escolas terão Plano Distrital de Atenção Educacional Especializado para alunos com transtornos de aprendizagem

Escolas terão Plano Distrital de Atenção Educacional Especializado para alunos com transtornos de aprendizagem
Projeto de Lei de autoria do deputado Iolando cria na rede de ensino público e privado o Plano distrital de Atenção Educacional Especializado para alunos com dislexia, disgrafia e discalculia.
Os Transtornos Específicos de Aprendizagem é um termo guarda-chuva, ou seja, não claramente definido, que abrange diferentes condições neurológicas que afetam a aprendizagem e o processamento de informações.
O objetivo do PL é instituir o Plano Distrital de Atenção Educacional Especializado para garantir aos alunos a avaliação diagnóstica e o acompanhamento educacional especializado.
Ainda de acordo com projeto, a escola deverá desenvolver um sistema de informação e acompanhamento dos alunos diagnosticados com transtornos específicos de aprendizagem, por meio de cadastro específico, para a elaboração de estratégias de intervenção, possibilitando a recuperação desses alunos.
Prevê ainda que as instituições de ensino devem assegurar aos estudantes com transtornos específicos de aprendizagem o acesso aos recursos didáticos adequados ao desenvolvimento escolar.
Informações assessoria do Deputado Distrital  Iolando
Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
15set/210

Eleições: Puxando o tapete do vice

Dentro do grupo palaciano há forte movimentação de certo secretário no sentido do governador  Ibaneis Rocha (MDB) trocar de vice nas próximas eleições. Publicamente Ibaneis e Paco Britto (AVANTE) aparecem sorrindo e fazendo elogios mútuos, mas nos bastidores o clima é tenso porque Britto não concorda com certas situações. Enquanto isso, Delmasso, Fonseca e outros tentam ocupar o lugar de Paco, mas não será tarefa fácil. Afinal de contas, Paco acreditou em Ibaneis desde o início e atualmente é o homem mais bem informado e antenado do Governo.

Donnysilva

 

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
13set/210

Brazlândia: Com apoio de Iolando Feira do Morango teve aprovação da população

A FEIRA DO MORANGO 2021 DE BRASÍLIA FOI UM SUCESSO!

Por Samuel Barbosa

Assim definiram os produtores, artesãos, floristas, comerciantes e uma infinidade de trabalhadores e seguimentos que expuseram seus produtos aos mais de 100 mil visitantes que foram a 25ª Feira do Morango de Brasília.

A Festa do Morango, realizada na Arcag, em Brazlândia, este ano teve o formato de feira devido a pandemia do novo Corona vírus. É um dos eventos mais importantes do DF para a agricultura local, pois fomenta a economia no período de grande safra, além de gerar mais empregos e renda para a região e valorizar a produção que, segundo a Emater/DF, concentra cerca de 95% dos produtores de morango.

Para os visitantes tudo estava muito organizado e aconchegante. A estrutura montada foi diferenciada com medidas sanitárias de prevenção à pandemia do novo coronavírus e preparada especialmente para receber as famílias, as quais já contam com essa festa tradicional, para proveito das delícias dispostas com o morango e exibidas nas vitrines. Tortas, geleias, doces, licores, bolos, cremes, morango no espetinho, pavês, mousses, cheese cakes, milkshakes à base de morango e uma novidade, o chopp de morango. Tudo para aguçar o paladar dos visitantes!

Quem veio à festa encontrou ainda uma infinidade de exposições de artesanatos, floricultura, fazendinha, salão da agricultura familiar, exposição agrícola, parque de diversão, concursos de culinária, além da Morangolândia, onde os visitantes puderam comprar a fruta in natura direto do produtor.

Rainha do Morango de Brasília 2021

Desfile de beleza na passarela do morango, charme e exuberância para decisão do júri, cujo integrantes foram compostos por convidadas ilustres da cidade. Com uma torcida animada e calorosa, as vencedoras do concurso da Rainha, Princesa e Miss Simpatia do Morango de 2021 foram escolhidas.

A Rainha do Morango 2021 foi Amanda de Araújo Batista. Ela tem 22 anos e é estudante de biomedicina. Ela se destacou na beleza e charme durante o seu desfile. A faixa de Primeira Princesa do Morango ficou com Júlia de Souza Oliveira, de 19 anos que é estudante de licenciatura em dança. Já o título de Segunda Princesa do Morango foi para Letícia Maressa Ramos Morais, de 22 anos, que é filha de produtor do morango de Brazlândia. A Miss simpatia escolhida foi Luana Gabriela Ferreira Gomes. Ela tem 18 anos e estuda farmácia.

Florabraz

No pavilhão da Florabraz trinta produtores atendidos pela Emater-DF expuseram seus cultivos, onde foi possível encontrar flores, plantas ornamentais, mudas de temperos, hortaliças e até árvores frutíferas, deixando um ambiente totalmente florido e bastante atrativo para os amantes das flores de decoração. O espaço da Florabraz já virou tradição na feira do morango.

Concurso de Receitas

Valorizando a criatividade dos agricultores e com apoio da Administração de Brazlândia, o tradicional Concurso de Receitas com Morangos, promovido pela Emater-DF e em parceria com a Universidade Católica de Brasília (UCB), chegou a sua 16ª edição e contou com cinco grupos de produtores rurais da região local, os quais participaram da competição. O resultado foi o seguinte:

– 1º Lugar: Tirinhas de Tapioca Amorangada com Lombo, Catupiry e Parmesão. Produtores: Eliza Dourado dos Santos e Lindaura Carvalho da Silva.

– 2º Lugar: Rocambole de Carne Moída com Geleia de Morango Picante.

Produtores: Marileuza Rodrigues Cardoso e Gilberto Primo Cardoso.

– 3º Lugar: Torta de Morango.

Produtores: Raimundo Nonato Trindade e Ana Paula da Silva Marinho.

Palestras e seminários

A Emater trouxe parcerias e promoveu palestras e seminários que foram realizadas durante o evento. No auditório, na sede da Arcag, engenheiro agrônomo, com experiência, fez orientações para os agricultores. Os temas apresentados foram: sucessão familiar; jardins multifuncionais; agricultura de precisão – o uso de drones na agricultura; máquinas agrícolas para a produção familiar; boas práticas agrícolas e embalagens para o morango.

Apresentação cultural

Por ocasião da pandemia, este ano não foi possível realizar grandes shows, mas o evento contou com a participação de alguns artistas locais. Eles se apresentaram em diversos palcos espalhados estrategicamente, afim de evitar aglomerações e fizeram seus espetáculos com um musical diferenciado deixando um ambiente sonoramente descontraído.

Chopp de Morango – Novidade da Feira

Uma das novidades, preparada exclusivamente para a Feira do Morango deste ano, foi o chopp de morango. A cervejaria Gont's criou o chopp com base na bebida American lager, 4,6% de álcool. Além da inovação da bebida, a cervejaria também conta com 8 tipos de chop, da Pielsen a encorpora IPA. A fábrica fica em Brazlândia, no INCRA 06. E quanto a novidade trazida, foi aprovadíssima pelos visitantes, sucesso total!

Jesiel Rosa, administrador de Brazlândia, falou da importância do evento para a cidade. “O desenvolvimento, a visibilidade da produção e a geração de empregos e renda são os principais benefícios da realização da feira. Outras ações importantes também são a garantia do fortalecimento da cultura do morango e do turismo rural e gastronômico”, frisou o chefe do executivo local.

O deputado Iolando Almeida (PSC), que destinou emenda parlamentar para o evento, disse que a região de Brazlândia é muito boa para produção agrícola de morango do Distrito Federal. “Como Brazlândia é a Capital do Morango, nesta época da grande produção e tendo a Feira para escoar ainda mais a produção, faz com que a cidade cresça economicamente gerando mais empregos e renda para os produtores e moradores da região”, comemorou o parlamentar. O distrital que defende a bandeira dos deficientes e a geração de empregos no Distrito Federal, estima um crescimento ainda da feira para os próximos anos, expandindo, inclusive, para fora do DF.

Para o produtor, Valfredo Pereira de Oliveira, proprietário da chácara Belmonte, o sucesso da feira foi garantido. “tive que colocar duas equipes para dar conta de atender ao público. Enquanto uma equipe colhia o morango na propriedade, outra atendia o público na feira”. Valfredo agradeceu a Administração de Brazlândia e Emater pelo apoio incondicional. “O trabalho da administração em prol do melhoramento dos espaços públicos da cidade está atraindo turistas para a região. Isso faz toda a diferença”, destacou Valfredo.

Com acesso livre, a Feira do Morango foi realizada no espaço da Associação Rural Cultural do Alexandre Gusmão (ARCAG), no Incra 6, em Brazlândia, nos dias: 3,4,5,6,7 e 10, 11 e 12), das 10h às 22h. O evento foi organizado pelo Instituto Rosa dos Ventos, com apoio da Emater-DF, Administração Regional de Brazlândia e secretarias de Turismo e de Agricultura.

A feira recebeu aproximadamente 100 mil pessoas e contou com a presença de diversas autoridades como o deputado Iolando Alemida (PSC), secretários de Estado do Governo do Distrito Federal (GDF) o embaixador do Japão, senhor, Akira Yamada, que ficou encantado com a organização do evento. Outra personalidade foi o Ministro Conselheiro da Embaixada do Zimbabwe, senhor Kossam Mupezeni, que convidou os organizadores da feira para conhecer seu país.

Fotos: Israel pinheiro e Sheylla Martins

 

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
11set/210

Time do Riacho I disputara a final do brasileiro de futsal categoria sub 15/16

Nova Geração o pequeno gigante vem conquistando seu espaço entre os veteranos

Na tarde deste sábado, será realizado às 15h30min a Grande Final do Campeonato Brasileiro de ligas de Fustsal sub 15/16 no ginásio Poliesportiva de Sobradinho.

O time do técnico Edimar Santana, Associação Atlética Nova Geração, tem sido o queridinho do campeonato brasileiro, carrega o peso de representar Brasília nessa disputada de gigantes e na sua primeira participação está na final.

O time principal é constituído pelo Goleiro, Douglas Martins, Enzo camisa 8, Levi Camisa 7 ,Italo Camisa 11 e pela estrela do time Kauã Rocha camisa 10, um passarinho nos contou que alguns jogadores do Nova Geração estão sendo cobiçados por times grandes do Rio de Janeiro e até o final do ano acertará seu destino.

Confira a trajetória do Nova Geração até agora:

Nova Geração 6 vs 2 Rio de Janeiro
Nova Geração 5 vs Minas Gerais 0
Nova Geração 3 vs 1 Tigres
Nova Geração 2 vs 1 Santa Catarina
Nova Geração 5 vs 1 Uruaçu- GO - Quartas de Final
Nova Geração 5 vs 3 Brasília - Semi Final

" Quero primeiramente agradecer a Deus por nos dar forças e nos capacitar até aqui, não é fácil em tão pouco tempo chegar onde chegamos, quero agradecer a cada jogador do time que a cada treino supera seu limite e nas partidas tem se superado, vamos trazer esse troféu para Brasília e em especial a cidade que tanto amamos e que vem nos enviado energias boas"

O time do Nova Geração convida aos empresários que queiram ajudar o time patrocinando, entrar em contato com o técnico Edinho no número (61) 99856-0477 e fazer parte da construção da história desse time que então tão pouco tempo vem conquistado diversos campeonatos regionais e futuramente o brasileiro.

Texto: Genivaldo Soares

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
11set/210

Lula diz que “como chefe de Estado” é pró-aborto, mas pessoalmente é contra

"Não tenho vergonha de dizer que eu, Lula, pai de 5 filhos, sou contra o aborto. Mas, enquanto chefe de Estado, tenho que tratar o assunto como saúde pública", disse durante participação em podcast

Oex-presidente Lula (PT) afirmou ter duas posições quando se trata de aborto. Pessoalmente, o petista disse ser contra, mas "como chefe de Estado" ele defende que se trata de uma questão de saúde pública e um direito da mulher.

Em entrevista ao podcast Mano a Mano, do rapper Mano Brown, o ex-presidente falou que opiniões individuais não devem interferir nas decisões administrativas quando se está governando um país. "Sou católico como ser humano, mas quando você vira chefe de Estado tem que ser todas as religiões. Você não tem que ter preferência enquanto chefe de Estado. É como o aborto", afirmou.

"Não tenho vergonha de dizer que eu, Lula, pai de 5 filhos, sou contra o aborto. Mas, enquanto chefe de Estado, tenho que tratar o assunto como saúde pública", explicou. Para ele, o assunto "é um direito da mulher" e, por isso, é preciso garantir o acesso, a segurança e a dignidade para mulheres que assim decidirem.

A interrupção da gravidez no Brasil é permitida apenas em casos específicos, como risco à saúde da mãe, em casos de feto anencéfalo (problemas no desenvolvimento do crânio ou cérebro) ou quando a gestação é fruto de um abuso sexual. Recentemente, a prática foi descriminalizada no Argentina e o México.

Lula disse que a maior inserção das mulheres na política é algo positivo, mas ressaltou problemas estruturais difíceis de serem revertidos. "A coisa está avançando, mas ainda é difícil mexer com a cultura. Qual era a cultura? Posso falar porque tenho mais idade, a minha cultura antes do PT e da CUT (Central Única dos Trabalhadores) era a machista, de peão de fábrica", lembrou.

Fonte: O Povo

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
10set/210

Deputado do DF critica Lula após declaração sobre aborto: “Um absurdo”

Vice-presidente da CLDF, Rodrigo Delmasso entende que o "direito de um não pode ser maior que o direito do outro"

LulaAline Massuca/Metropoles

O deputado distrital Rodrigo Delmasso (Republicanos) criticou, na noite desta sexta-feira (10/9), a declaração do ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva (PT), de que o aborto é “um direito da mulher” e uma questão de “saúde pública”. Em publicação nas redes sociais, o vice-presidente da Câmara Legislativa do DF (CLDF) considerou a fala “um absurdo”.

De acordo com o parlamentar, “o direito de um não pode ser maior do que o direito de outro”. Ele ainda fez dois questionamentos: “Quem defenderá o direito da criança que está dentro da barriga da mãe? Quem tem o direito de decidir sobre a vida de uma pessoa?”.

A fala de Lula foi proferida durante participação no podcast Mano a Mano, do rapper Mano Brown. Apesar de dizer que o aborto é direito da mulher, o petista se posicionou pessoalmente de maneira contrária. “Não tenho vergonha de dizer que eu, Lula, pai de 5 filhos, sou contra o aborto. Mas, enquanto chefe de Estado, tenho de tratar o assunto como saúde pública. Eu acho que o aborto é um direito da mulher. Não preciso ser favorável, mas tenho que cuidar para que todos sejam tratados dignamente”, explicou o ex-presidente.

Metrópoles

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
9set/210

Câmara dos Deputados aprova texto-base do novo código eleitoral

Para valer nas eleições de 2022, o texto precisa ser aprovado no Senado e sancionado até um ano antes do primeiro turno

Foto: Antonio Augusto/TSE

A Câmara dos Deputados aprovou há pouco, na sessão desta quinta (9), o texto-base do novo Código Eleitoral por 378 votos a favor e apenas 80 contra, além de duas abstenções. Falta apenas a apreciação de destaques.

O texto consolida toda a legislação eleitoral e temas de resoluções do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em cerca de 900 artigos e foi resultado do grupo de trabalho de reforma da legislação eleitoral, composto por representantes de diversos partidos.

Justamente por essa participação pluripartidária, líderes de partidos de oposição liberaram as bancadas para votar, o que ajudou no resultado expressivo.

Para valer nas próximas eleições, o texto precisa ser sancionado um ano antes do primeiro turno, o que deixa pouco mais de duas semanas para análise no Senado.

Diário do Poder

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
9set/210

Política: Robério preocupado com desembarques de aliados para 2022

Antigos aliados do distrital estão se despedindo do projeto de reeleição dele e nem comunicam da decisão

Brasília(DF), 21/07/2016 - Roberio Negreiros. CPI da saúde - CLDF. Foto: Rafaela Felicciano/Metrópoles

O distrital Robério Negreiros deverá fazer uma reunião de emergência com seu grupo de coordenadores das cidades satélites do DF.

A preocupação central do parlamentar é a constante saída de aliados antigos com vistas as eleições de 2022. Nos bastidores do grupo de Roberto Negreiros o descontentamento é algo normal na avaliação de uma grande maioria e segundo uma fonte já saiu muita gente do projeto de reeleição do parlamentar do PSD, só que não estão le informando a verdadeira realidade do que vem acontecendo.

Enquanto isso o barco vai só entrando água.

Redação

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn