27ago/130

Doi-Codi é tão distante da Embaixada brasileira como o céu é do inferno’, diz Dilma

Presidente critica Eduardo Saboia e afirmação de que senador boliviano corria riscos ao ficar na embaixada do Brasil em La Paz Ao saber da reação de Dilma, o diplomata fez um apelo: 'Rezem por mim!' 

A presidente Dilma Rousseff se pronunciou pela primeira vez, no início da tarde desta terça-feira, sobre a operação que trouxe o senador boliviano Roger Pinto ao Brasil. Em tom grave, criticou duramente a decisão tomada pelo encarregado de negócios brasileiros na Bolívia e ministro conselheiro, Eduardo Saboia, que saiu de La Paz e foi até Corumbá de carro, em um trajeto de 22 horas com o parlamentar da Bolívia.

A presidente rechaçou a comparação feita por Saboia, que afirmou que a situação de Roger Pinto na embaixada era semelhante a de um preso no Doi-Codi. Ao saber da reação da presidente, o diplomata pediu orações.

- Não tem nenhum fundamento acreditar que é possível que um governo em qualquer país do mundo aceite submeter a pessoa que está sob asilo a risco de vida. Se nada aconteceu, essa não é a questão. Um governo não negocia vidas, um governo age para proteger a vida. Nós não estamos em situação de exceção, não há nenhuma similaridade. Eu estive no Doi-Codi, eu sei o que é o Doi-Codi. E asseguro a vocês: é tão distante o Doi-Codi da embaixada brasileira lá em La Paz como é distante o céu do inferno. Literalmente isso - afirmou Dilma, em tom severo.

 Ao saber das fortes declarações da presidente, Saboia fez um apelo: "Rezem por mim!". Ele reafirmou que agiu para defender a vida do boliviano, que estava em um processo acelerado de depressão e falando em suicídio pelo longo confinamento em um cubículo da embaixada em La Paz.

 - Reze por mim. Só digo uma coisa: eu defendi a vida. O governo não se empenhou para tirá-lo de lá - disse Saboia ao ser informado das declarações de Dilma.....

 Ele discordou de Dilma, entretanto, quando ela diz que "um governo não negocia vidas, um governo age para proteger a vida". Ele comparou a situação dos americanos sequestrados na embaixada do Irã com a de Roger Pinto.

 - O senador Roger Pinto ficou mais tempo na embaixada do Brasil do que o pessoal no Irã. Os americanos ficaram confinados 440 dias, com o governo americano se empenhando para tirá-los de lá. O (Roger Pinto) Molina ficou 452 dias confinado. E o governo não se empenhou - reagiu Saboia.

 A fala de Dilma ocorreu na saída de um evento no Senado Federal no qual foram comemorados os sete anos da Lei Maria da Penha. A presidente assegurou ainda que o governo brasileiro havia tentado, em vários momentos, negociar o salvo-conduto que permitiria a saída segura de Roger Pinto do país. Segundo ela, a embaixada brasileira era confortável e o primeiro dever do Brasil proteger a vida do senador boliviano, sem correr os riscos de tirá-lo do país. Dilma destacou que o ministro da Defesa, Celso Amorim, se pronunciará ainda hoje sobre a situação dos dois fuzileiros navais que acompanharam o encarregado de negócios brasileiro e o senador boliviano.

 - Um país civilizado e democrático protege seus asilados sobre os quais ele tem que garantir, sobretudo, a segurança em relação à integridade física. O Brasil jamais poderia aceitar, em momento algum, sem salvo-conduto do governo boliviano colocar em risco a vida de uma pessoa que estava sob sua guarda. A Embaixada do Brasil é extremamente confortável. Nós negociamos em vários momentos o salvo-conduto, não conseguimos. Lamento profundamente que um asilado brasileiro tenha sido submetido à insegurança que ele foi. Lamento. Porque um Estado democrático e civilizado a primeira coisa que faz é proteger a vida, sem qualquer outra consideração. Protegemos a vida, a segurança e garantimos conforto ao asilado - afirmou a presidente.

 Ao desembarcar em Brasília na segunda-feira, Saboia afirmou que desejou proteger um perseguido político, da mesma forma que um dia a presidente Dilma também se viu perseguida. Ele está no momento reunido com o secretário-geral do Itamaraty, Eduardo Santos, para prestar esclarecimentos sobre o caso.

- Eu escolhi a vida. Eu escolhi proteger uma pessoa, um perseguido político, como a presidenta Dilma foi perseguida - declarou Saboia ontem. - Eu me sentia como se fosse o carcereiro dele, como se estivesse no Doi-Codi - disse o diplomata.

   

Por Paulo Celso Pereira e Maria Lima

  Fonte: O Globo