10abr/160

Aluno do 9º semestre de direito diz ter sido expulso após criticar professora

Estudante do DF diz que 'perseguição' começou após fundação de DCE. Instituição afirma que ele violou ética ao ofender profissional na web

 Fernando CaixetaDo G1 DF
Relato em rede social de estudante de direito do DF que diz ter sido expulso por criticar professora (Foto: Facebook/Reprodução)

Relato em rede social de estudante de direito do DF que diz ter sido expulso por criticar professora (Foto: Facebook/Reprodução)

Aluno do nono semestre de direito do Instituto de Educação Superior de Brasília, Jader Machado afirma ter sido expulso depois de criticar a forma como uma professora lidava com os estudantes. O homem, de 34 anos, escreveu na web que ela diminuía os colegas e os tratava com grosseria. Por e-mail, a faculdade afirmou ao G1 que ele violou princípios éticos que regem as relações acadêmicas ao ofender a profissional, chamando-a de “grossa” e “ignorante” e alguém que distribui “patadas”.

Eles esperaram o aditamento do contrato do Fies e aguardaram até que todas as janelas de transferência [para outra instituição] se fechassem. Eles agiram da forma mais cruel possível. Não só cruel, mas desumana"Jader Machado,expulso no nono semestre do curso de direito.

Machado conta que os problemas começaram depois de ele fundar o Diretório Central dos Estudantes (DCE), mesmo sem ter autorização expressa da reitoria. Ele afirma que a instituição agiu de forma arbitrária ao desliágá-lo e que não o concedeu o direito de defesa. O incidente aconteceu a uma semana da semana de provas.

"Eles esperaram o aditamento do contrato do Fies e aguardaram até que todas as janelas de transferência [para outra instituição] se fechassem. Eles agiram da forma mais cruel possível. Não só cruel, mas desumana", afirma.

O homem diz que registrou uma ocorrência na 19ª Delegacia de Polícia (Ceilândia), região administrativa onde mora. A corporação afirmou ao G1 não ter localizado o boletim. O estudante também falou que já recorreu na decisão no âmbito institucional para reverter a expulsão e que está tomando providências para acionar a Justiça para pedir reparação por danos morais.

Em nota, o Iesb informou que já havia advertido o aluno anteriormente pelo comportamento e que o parecer que recomendou o desligamento foi homologado pela instância competente. Ainda segundo o texto, Machado teria ofendido outros profissionais com afirmações de que os "professores [são] frustrados profissionalmente" e "sem nenhum comprometimento com a qualidade do ensino ou com os alunos".

Aluno expulso de centro universitário tenta reverter a decisão para concluir o curso de direito (Foto: Facebook/Divulgação)

Jader Machado, que foi expulso de centro universitário do DF no nono semestre do curso de direito (Foto: Facebook/Divulgação)

"Diante das inverdades proferidas e propagadas pelo aluno, a instituição  está analisando as providências legais possíveis e cabíveis ao caso em tela, em todos os âmbitos judiciais (civil e criminal) tendo inclusive, submetido o fato ao conhecimento das autoridades policiais, a fim de que apurem a conduta do discente", completa a nota.

O aluno deu início a um abaixo-assinado online, que já conta com 379 assinaturas, para pressionar a direção do Iesb a reverter a expulsão. Ele também publicou texto em redes sociais e recebeu mais de 1,3 mil curtidas.

"A reitora do Iesb me ameaçou de expulsão caso eu não deixasse de participar de DCE e/ou política, tanto que no momento que me deu ciência da expulsão a mesma disse que estava ali para cumprir a palavra que havia me dado outrora", declarou na postagem.

A instituição afirma que o aluno falta com a verdade ao afirmar que o processo disciplinar foi aberto para prejudicá-lo em razão de constituição  de diretório acadêmico. "Ao contrário da  afirmação do discente,  diretórios acadêmicos estão devidamente  previstos no  Regimento Interno do Iesb, com ampla publicização interna e externa (vide site oficial do Iesb)".