2maio/150

Aécio diz que Dilma se acovardou ao não falar na TV no Dia do Trabalho

 

Do G1

O senador e presidente nacional do PSDB, Aécio Neves (MG) divulgou nota para criticar a iniciativa da presidente Dilma Rousseff de divulgar mensagens nas redes sociais em substituição ao tradicional pronunciamento em cadeia de rádio e TV no Dia do Trabalho. O tucano disse ser “lamentável” que a presidente tenha “se acovardado” e resolvido não falar aos brasileiros (veja íntegra da nota ao final desta reportagem).

Neste ano, ao contrário de todos anteriores do primeiro mandato, Dilma não fará pronunciamento em cadeia nacional de rádio e TV. A estratégia adotada pelo Palácio do Planalto é divulgar mensagens da presidente na internet, em contas do governo nas redes sociais.

Até a última atualização desta reportagem, a presidente Dilma já havia divulgado dois vídeos nasredes sociais por conta do dia 1º de Maio.

“Quem sempre se mostrou tão loquaz, agora evita dirigir-se à população numa data de tanto simbolismo para os brasileiros. Por que será que a presidente eleita pelo partido que se diz “dos trabalhadores” teme tanto os trabalhadores?”, questiona Aécio na nota, divulgada pelo PSDB na noite desta quinta, 30 de abril.

O senador afirma no texto que Dilma deveria se dirigir à população para explicar “por que promove o maior arrocho recessivo da história recente do país.”

No texto, Aécio cita exemplos de “todos os recordes negativos” e atribui os problemas da economia ao governo Dilma. Entre os pontos enumerados pelo senador estão “a maior inflação em 20 anos, os piores resultados fiscais em 17 anos, mais baixos níveis de confiança desde o início do século, o menor crescimento econômico desde o governo Collor e a menor geração de empregos em mais de 15 anos.”

“Não adianta, porém, a presidente querer se esquivar de prestar contas. Não adianta querer evitar manifestações indignadas dos brasileiros. Cada um à sua maneira, com as formas que tem às mãos, cada brasileiro demonstrará a repulsa e o repúdio a um governo que não tem dado motivo algum para que os trabalhadores comemorem o seu dia”, conclui o tucano. ‘Coisa ridícula’ Nesta quinta (30), o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), também criticou o fato de Dilma ter optado por se manifestar sobre o 1º de Maio somente pelas redes sociais, em vez de fazer o tradicional pronunciamento em cadeia nacional de rádio e TV. O peemedebista classificou de“uma coisa ridícula” a decisão da petista. “O governo não tem agenda, não tem iniciativa, há um vazio evidente que fragiliza o governo. [...] Essa coisa da presidente da República não poder falar no dia 1º porque não tem o que dizer é uma coisa ridícula. Isso enfraquece o governo”, afirmou Renan. Veja íntegra da nota de Aécio Neves “Nota do PSDB – 1º de Maio É lamentável que a presidente Dilma Rousseff tenha se acovardado e resolvido não falar aos brasileiros por ocasião das comemorações pelo 1° de Maio. Quem sempre se mostrou tão loquaz, agora evita dirigir-se à população numa data de tanto simbolismo para os brasileiros. Por que será que a presidente eleita pelo partido que se diz “dos trabalhadores” teme tanto os trabalhadores?

Dilma deveria dirigir-se à nação para explicar por que promove o maior arrocho recessivo da história recente do país, que tanto penaliza quem trabalha e produz.

Seu governo bate todos os recordes negativos da história recente: a maior inflação em 20 anos, os piores resultados fiscais em 17 anos, mais baixos níveis de confiança desde o início do século, o menor crescimento econômico desde o governo Collor e a menor geração de empregos em mais de 15 anos, para citar apenas alguns exemplos.

Com a recessão, o torniquete aperta sobre a renda dos trabalhadores e sufoca o consumo. A saída – para quem pode – tem sido queimar os recursos guardados na poupança. A verdade é que tem sobrado mês e faltado salário no bolso dos brasileiros.

Impiedoso, o arrocho petista mira benefícios sociais e trucida direitos trabalhistas. A tesoura do ajuste só não cortou mais fundo porque o Congresso resistiu às investidas de Dilma e sua equipe econômica e impediu que a população fosse submetida a sacrifícios ainda maiores.

A recusa de Dilma em ocupar rede nacional de rádio e televisão também deixa claro, de uma vez por todas, a que se destinaram as mais de 20 convocações feitas anteriormente pela presidente: puro proselitismo político, marketing enganoso e propaganda ilegal, conforme a oposição não se cansou de denunciar. Não adianta, porém, a presidente querer se esquivar de prestar contas. Não adianta querer evitar manifestações indignadas dos brasileiros. Cada um à sua maneira, com as formas que tem às mãos, cada brasileiro demonstrará a repulsa e o repúdio a um governo que não tem dado motivo algum para que os trabalhadores comemorem o seu dia. Aécio Neves Presidente nacional do PSDB