16ago/120

Agnelo pediu para BRB enviar dados bancários para CPI

O porta-voz do governo do Distrito Federal, Ugo Braga, afirmou nesta quinta-feira (16) ao G1 que o governador Agnelo Queiroz ligou nesta manhã para o diretor do Banco Regional de Brasília (BRB) para pedir que ele antecipe o envio dos dados bancários de Agnelo para a CPI que investiga o contraventor Carlinhos Cachoeira.
 
"A CPI mandou pelo menos 18 pedidos de quebra de sigilo para o BRB. O banco decidiu responder aos pedidos pela ordem de chegada. O BRB já mandou para a CPI a quebra de sigilos de cinco empresas, inclusive a Delta. Faltam o do Agnelo e o de mais seis pessoas físicas e jurídicas", afirmou Braga.
 
Procurada pela reportagem do G1, a direção do BRB não deu retorno até a publicação desta matéria.A quebra dos sigilos fiscal, bancário e telefônico, de e-mail e SMS do governador do Distrito Federal foi aprovada por unanimidade no dia 14 de junho. A determinação inicial era de que os dados fossem entregues em dez dias...

Em nota, o banco informou que foi montado um grupo de trabalho para fazer o levantamento. De acordo com reportagem do DFTV, o BRB enviou à comissão um ofício pedindo prazo de 90 dias para repassar os dados, mas até o momento a CPI não teria respondido o pedido.
 
A quebra do sigilo foi oferecida pelo governador durante sessão do dia 13 de junho. Ele assinou um documento autorizando a ação, após insistência do líder do DEM na Câmara, Onyx Lorenzoni (RS), que disse que o governador poderia faltar com sua palavra. “Senão pode ser apenas uma jogada, né? Quem me garante que amanhã será quebrado?”, indagou o democrata.
 
Em depoimento à CPI que investiga as relações do bicheiro com políticos e empresários, Agnelo Queiroz negou que o grupo do contraventor tenha influência em seu governo e afirmou ser vítima de uma "trama".
 
Cachoeira foi preso pela PF no dia 29 de fevereiro deste ano, em Goiânia. No mesmo dia foi transferido para Brasília. Depois, foi levado para o presídio federal de Mossoró (RN). Após pedido da defesa, acatado por Tourinho, voltou para Brasília, onde está detido desde 18 de abril no complexo penitenciário da Papuda.Informações do G1.