27abr/220

Bolsonaro usa Damares para atrair Flávia Arruda e isolar Ibaneis

Em que pé está a eleição para o governo do Distrito Federal

Rafaela Felicciano/Metrópoles

Eles fingem que se dão bem e que confiam um no outro. Conviveram em harmonia durante a pandemia da Covid-19, salvo um momento ou outro de crispação. Mas, amizade, ou suposta amizade, é uma coisa. Política é outra coisa. Nada de pessoal.

Assim como plantou em São Paulo um candidato ao governo que tirou do bolso sem ligar para o PL do ex-mensaleiro Valdemar Costa Neto que lhe dá abrigo temporário, Bolsonaro quer plantar outro no Distrito Federal, não importa quem ele contrarie.

A deputada Flávia Arruda (PL) é a candidata à sucessão de Ibaneis Rocha (MDB) dos sonhos de Bolsonaro. Aqui, ele obteve uma das maiores votações para presidente. Quer repetir o desempenho em outubro, mas precisa dispor de um palanque forte.

Ocorre que Flávia está com um pé na chapa de Ibaneis como candidata ao Senado. Para ela seria uma eleição mais tranquila. Se eleita, daqui a 4 anos poderia concorrer ao governo, e se perdesse, contaria com mais 4 anos de mandato como senadora.

O que fez então Bolsonaro: mandou que Damares Alves (Republicanos), ex-ministra da Mulher, se lançasse candidata ao Senado. Damares e Flávia são amigas, mas… Damares é só uma arma para forçar Flávia a disputar o governo como quer Bolsonaro.

Há poucos dias, Ibaneis disse que no primeiro turno da eleição presidencial Bolsonaro terá muitos palanques no Distrito Federal, e que no segundo, entre ele e Lula, apoia Bolsonaro. Por que não disse que o apoiará desde o primeiro turno?

Ibaneis disse também que o senador José Antônio Reguffe (União-Brasil) tem estatura suficiente para se eleger o que quiser no Distrito Federal. Elogiou seu desempenho como senador. Reguffe reproduziu o elogio em suas contas nas redes sociai

Reguffe é o plano B de Ibaneis para o Senado caso Flávia prefira a companhia de Bolsonaro. O pior cenário para Ibaneis seria tentar se reeleger enfrentando ao mesmo tempo Flávia e Reguffe, que ainda não decidiu se será candidato ao governo.

O jogo da eleição para o governo do Distrito Federal está sendo jogado por Ibaneis, de um lado do tabuleiro, e Bolsonaro, do outro. Damares, Flávia e Reguffe são peças que os dois imaginam poder movimentar ao seu gosto

Metrópoles