31jul/120

Câmara do DF vive sucessão complicada

 A sucessão da Presidência da Câmara Legislativa do DF e da Mesa Diretora promete episódios intensos até o final do ano. O presidente Patrício articula sua reeleição. Por outro lado, nomes de Wasny de Roure (PT), Agaciel Maia (PTC) e Alírio Neto (PEN) são comentados aos quatro ventos. Isso sem falar da campanha velada de Dr. Michel pelo posto.

Diante de especulações e tratativas, Wasny, líder do Governo na Câmara, afirmou que suas intenções estão focadas no Tribunal de Contas do DF. “É a minha prioridade”, enfatizou, lembrando a afinidade pessoal com as áreas de controle e orçamento.

Wasny deixou claro que respeitará o projeto de governo do PT e a decisão do governador Agnelo Queiroz. Nesse sentido, Wasny argumentou que a base aliada tem bons nomes para a Presidência, seja dentro ou fora do PT. Em paralelo com a questão fundiária, Wasny lembrou que as possiveis mudanças de cadeiras no GDF poderão ocupar a agenda Legislativa, por tabela. Outro destaque para o distrital será a discussão de projetos de lei mais sintonizados com os programas federais, para evitar o encalhe de milhões de reais que já ocorreu, no passado, em diversas pastas do DF. O investimento na reestruturação da Segurança Pública, como a recuperação dos quartéis, seria um exemplo.

TROPEÇOS --  Segundo Wasny, a convivência com a oposição será respeitosa e democrática. Para a deputada Eliana Pedrosa (PSD), neste semestre a oposição buscará mostrar para a população os tropeços da gestão petista. Se a bancada reduzida dificulta a obstrução de votações e ocupação de postos chaves na Casa, argumentos consistentes podem chegar aos ouvidos da população.
Eliana lembrou que a discussão do PDOT só deveria ser feita em 2014.

A distrital acrescentou a preocupação com a criação do Setor Catetinho, estratégico do ponto vista ambiental, pois possui água, recurso cada vez mais raro. Informações do Jornal de Brasília.

 
Fonte: Estação da Notícia