29set/120

Casa Cor recebe a maquete itinerante do Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha

Protótipo de 25m² ficará exposto em estande do Governo do Distrito Federal no evento, de 29 de setembro a 6 de novembro

Agência Brasília – A maquete itinerante do Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha tem um novo destino: a Casa Cor. O protótipo ficará exposto diariamente no estande do Governo do Distrito Federal (GDF) montado no evento anual de arquitetura e design, no Lago Sul. Após a exposição no local, seguirá para outros pontos do Distrito Federal.

A estreia da maquete para o público ocorreu no Aeroporto Internacional Juscelino Kubitschek, onde permaneceu por cerca de dois meses. Itinerante, a peça também passou pelo Brasília Shopping e o Conjunto Nacional.

A maquete, que é feita em escala de 1 pra 100, possui funcionalidades interativas: sistema de som com sete opções de gritos de torcida e narração detalhada sobre a construção da Ecoarena, além de iluminação em led. Grande parte das cerca de 71 mil cadeirinhas das arquibancadas inferior, intermediária e superior foi pintada à mão.

“A maquete do Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha está exposta na Casa Cor para que mais brasilienses e turistas possam admirar e conhecer o futuro monumento que estampará a paisagem da capital federal e será um instrumento de desenvolvimento econômico e social”,afirmou o secretário extraordinário para a Copa 2014, Claudio Monteiro...

Idealizada pelo Consórcio Brasília 2014, responsável pela obra da nova arena, a peça foi fabricada em Florianópolis (SC) e trazida para Brasília de caminhão, dividida em dois módulos que pesam, juntos, quase uma tonelada.

Andamento– A obra do Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha cumpre o cronograma estabelecido, com 72% de sua execução concluída. O estádio será palco da abertura da Copa das Confederações (2013) e de sete partidas de futebol da Copa do Mundo de 2014.

No último sábado (22), os operários finalizaram a arquibancada superior, uma das mais importantes etapas da construção. O setor, que deve comportar 39.050 pessoas na Copa, começou a ser montado em maio deste ano. As arquibancadas inferior e intermediária também estão prontas.

Os 288 pilares, com mais de 36m de altura livre, que cercam a arena formando a área de acesso, foram concluídos no fim de agosto. O anel de compressão, que sustentará a cobertura, já está fechado, restando apenas o acabamento da concretagem. Depois de pronto, a cobertura começará a ser montada. O sistema da cobertura será construído em quatro fases sequenciais (colocação dos cabos, das treliças metálicas, do revestimento externo e interno).

A Ecoarena terá assentos marcados e retráteis, a uma distância inicial de apenas 7,5m do campo de futebol, que por sua vez foi rebaixado 4,8m de sua altura original, permitindo maior visibilidade a todo o público. Todos os assentos estarão protegidos do sol e da chuva por uma moderna cobertura.

As áreas do público serão divididas entre arquibancada inferior, intermediária e superior. Haverá também 74 camarotes e área especial para 2.850 jornalistas, com toda a tecnologia necessária. Os acessos ao estádio foram projetados pensando em praticidade, segurança e rapidez. A Ecoarena contará, ainda, com área social de passeio e lazer, com bares e restaurantes, garantindo fluxo e aproveitamento da estrutura após o Mundial.

Antes mesmo da Copa do Mundo de 2014, o estádio passará por licitação internacional para que uma empresa especializada em entretenimento o administre e potencialize o desenvolvimento econômico de Brasília, gerando renda e emprego, além de pagar o aluguel da arena. A empresa vencedora ficará responsável por inserir a capital em um calendário de eventos e shows nacionais e internacionais, o que manterá o setor de serviços (bares, restaurantes, hotéis etc) aquecido.

Ecoarena– O Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha caminha para ser o primeiro na história a receber o certificado máximo de sustentabilidade. O selo Leed Platinum ― entregue após a conclusão da obra ― é reconhecido internacionalmente e garante que a construção é altamente sustentável. Hoje, não existe nenhum estádio de futebol no mundo com o selo Platinum.

O trabalho em prol da sustentabilidade inspirou, até, um convite ao governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz, para apresentar o projeto da Ecoarena no maior evento mundial sobre  construções sustentáveis, em novembro. A proposta partiu do vice-presidente da ONG U.S. Green Building Council, Scot Horst, que confere o selo Leed (Leadership in Energy and Environmental Design). A carta significa que o Green Building Council está acompanhando os esforços de Brasília para alcançar a certificação.

No documento, Horst afirma que tem pensado “com frequência” no projeto da Ecoarena que está sendo construída na capital do país e que gostaria de agradecer pessoalmente ao governador Agnelo Queiroz “por sua busca da certificação Leed Platinum para o Estádio Nacional de Brasília”. Para Scot Horst, o esforço colocará o estádio entre uma pequena elite de projetos no mundo.

O conceito de arena verde começou ainda na criação do projeto do novo estádio. São usados materiais recicláveis ou reciclados na construção. Tudo o que saiu do antigo estádio foi reaproveitado na própria obra ou em cooperativas de reciclagem do DF. Depois de pronto, haverá captação de energia solar e de água da chuva. A arena será capaz de gerar 2,5 megawatts de energia, o que corresponde ao abastecimento de mil residências por dia.

Casa Cor

Período: de 29 de setembro a 6 de novembro

Local: QI 19 Chácara 2 a 7 - Lago Sul

Horário: de segunda a sexta, das 15h às 22h, e sábados, domingos e feriados, das 12h às 22h