Por Chico Sant’Anna

Em um reunião política, na cidade do Gama, falando a apoiadores, o ex-governador José Roberto Arruda, que está em campo para viabilizar a eleição ao Senado de sua esposa, Flávia Arruda (PL), cogitou o nome dela como governadora do Distrito Federal. Logo em seguida disse ter cometido “um ato falho”.

Arruda fazia um discurso em defesa da união dos gamenses em torno da candidatura a distrital da professora Maria Antônia, que em 2018 ficou na condição de suplente, pelo Solidariedade,

“Tendo uma deputada na cidade, fica muito mais fácil pra Flávia, como governadora…. ato falho, como senadora” – discursou ele, para o delírio dos presentes.

Desejos ocultos

Sigmund Freud, pai da psicanálise, indicado doze vezes ao prêmio Nobel da Medina, explicava que ato falho surge a partir de “uma verdade instalada no inconsciente”. Seria como desejos ocultos na mente das pessoas, que involuntariamente acabam escapando.

“Os atos falhos diferem do erro comum, pois possuem significado e resultam da formação de um compromisso entre o Inconsciente e o Consciente. São manifestações do que foi reprimido da Consciência e que, deste modo, como um “engano”, podem aparecer, revelando a intenção Inconsciente, e serem satisfeitos. Como expressa o consagrado “sem querer, querendo do personagem Chaves” – explica a psicanalista Sandra Regina Wolffenbüttel.

Nos bastidores da política brasiliense, os rumores dão conta de que há mesmo uma opção em ter Flávia Arruda candidata ao GDF. Conforme noticiou o semanário Brasília Capital, uma agência de publicidade já preparou o lay-out de peças de campanha tendo o número 22 estampado. “Se fosse para o Senado, teria três dígitos (222, por exemplo). Assim, pode não ter sido um “ato falho” do marido dela” – especula o semanário.

Uma eventual mudanças de planos por parte de Flávia Arruda, com ela se colocando na disputa ao Buriti, embalhararia totalmente o cenário eleitoral local, fragilizando a candidatura de Ibaneis Rocha e deixando em aberto a vaga ao Senado. Por isso, há ainda quem comente que Flávia Arruda candidata ao Buriti, seria fruto de uma arquitetura eleitoral do Palácio do Planalto, pra deixar vaga a candidatura ao Senado, para a ex-ministra Damares Alves, também do PL. E ela não está parada, na sexta-feira 8/4, se reuniu com o Conselho de Pastores do DF, que lhe hipotecou apoio a uma candidatura ao Senado Federal

Delírio

Se Arruda desejasse aferir a receptividade popular do nome da sua esposa para o Buriti, deve ter saido satisfeito do Gama. Na plateia, o “ato falho” de Arruda foi recebido com manifestações simpáticas. “É isso aí, governador”, reagiu um popular, conforme vídeo que circula nas redes sociais.

Nessas mesmas redes, há quem mande Ibaneis Rocha (MDB) “abrir o olho”. Afinal, a política é dinâmica, nada está oficialmente selado, e Flávia Arruda, que hoje seria candidata ao Senado Federal na chapa de Ibaneis pode, quem sabe, optar por uma candidatura própria. Afinal, popularidade e oportunidade, não se deixa pra amanhã e o prazo para registrar as chapas junto à Justiça Eleitoral vai até 5 de agosto.

Veja aqui o vídeo