31out/120

GDF é modelo de atendimento à mulher

Conclusão é das integrantes da CPMI da Violência Contra a Mulher, que se reuniram nesta terça-feira com o governador Agnelo Queiroz


Brasília, 30 de outubro de 2012 – O governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz, e a secretária da Mulher, Olgamir Amancia, receberam na noite desta terça-feira representantes da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito da Violência Contra a Mulher. O grupo visitou as unidades públicas que prestam atendimento às mulheres vítimas de agressões. As parlamentares ficaram satisfeitas com a estrutura encontrada.

“É um modelo paradigmático”, ressaltou a deputada federal Marina Sant’ Anna (GO), ao descrever a forma integrada de atendimento oferecido pelo Governo do Distrito Federal. “É superior a outros lugares, em relação ao preparo da equipe e aos investimentos do GDF”, acrescentou, parabenizando o governador.

A deputada federal Erika Kokay (DF) concordou: “Fizemos uma avaliação muito positiva, completamente diferente à do Entorno. Aqui no DF, o divisor de águas foi a criação da Secretaria da Mulher, que resultou no novo modelo de Delegacia da Mulher e na recuperação da estrutura do Instituto Médico Legal (IML), que realiza exames de corpo de delito e identifica agressores por meio de exames de DNA.” Para ela, é importante perceber “a disposição do GDF para debater, com outros governos, iniciativas de políticas públicas para as mulheres”.

As parlamentares visitaram a Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (Deam) e o Centro de Referência de Atendimento à Mulher, entre outras estruturas do GDF. “É muita coisa realizada em um período tão curto. A Secretaria da Mulher foi criada neste governo, então não tem nem dois anos”, disse a senadora Ana Rita (ES).

Agnelo Queiroz explicou que as políticas voltadas para as mulheres integram várias estruturas do GDF e da União. “Tratar da mulher é responsabilidade de todos nós. Queremos aperfeiçoar esse trabalho, ampliar nossas parcerias com o governo federal e olhar para o Entorno”, destacou.
Políticas para mulheres – A defensora pública do DF Dulcielly Nóbrega de Almeida também estava no encontro e lembrou que uma das medidas do GDF favoráveis às mulheres é a parceria com o Serviço Nacional do Comércio (Senac). “São mais de 30 cursos de qualificação para as mulheres vítimas de violência.”

O governo local também possui outras políticas públicas com foco na população feminina, descritas pelo governador durante a reunião. Entre elas está a ampliação do Comitê Intersetorial de Mulheres, que incluiu mais representantes das lutas femininas. O governador mencionou, ainda, a aquisição da segunda Unidade Móvel de Saúde da Mulher – a primeira realizou mais de 20 mil exames em oito meses – e o programa DF Alfabetizado, que já ensinou 6 mil moradores do DF a ler e a escrever, a maioria mulheres. Agnelo Queiroz explicou também que as novas creches, já abertas em Brazlândia, São Sebastião e Estrutural, vão permitir que as mães trabalhem ou estudem enquanto os filhos ficam em local seguro.

Outro exemplo de política pública é o Qualificopa, que já formou 4,5 mil novos profissionais, incluindo mulheres em situação de vulnerabilidade social. O DF é também a única unidade federativa a incluir no currículo escolar temas como a Lei Maria da Penha e questões de gênero. O Plano Plurianual (PPA) prevê iniciativas para a emancipação das mulheres. Há também programas voltados para a assistência e a qualificação da população feminina que mora nas áreas rurais. Já as mulheres do sistema prisional ganharam um box para vender sua produção artesanal na disputada Feira da Torre de TV.