6nov/150

GDF estuda pagar retroativos de reajuste a servidores só em 2017

Valores só devem ser quitados em caso de aumento na arrecadação.Proposta é 'avanço significativo', afirmou representante de servidores

 Gabriel LuizDo G1 DF

O governador Rodrigo Rollemberg disse nesta quinta-feira (5) que o governo estuda pagar em 2017 os retroativos dos aumentos prometidos a servidores do Distrito Federal em 2013 e congelados desde outubro por causa do déficit das contas públicas. O chefe do Executivo disse que o pagamento dos valores só vai ocorrer se o governo conseguir aumentar a arrecadação (veja vídeo).

Rollemberg não informou qual o montante suficiente para garantir os pagamentos. A expectativa é de que o governo passe a conceder a última parcela dos reajustes bloqueados em outubro de 2016.

A quitação dos valores a partir de setembro deste ano até outubro do ano que vem só deve ocorrer em outubro de 2017, dependendo de um cronograma a ser criado por um grupo de trabalho.

Segundo o governador, a proposta foi bem recebida pelos sindicatos. “Confiamos no bom senso das categorias”, declarou Rollemberg. Ele criticou a paralisação das cerca de 15 categorias de servidores que protestam contra o congelamento dos reajustes. “Essa greve está trazendo muito prejuízo para a população.”

O presidente do Sindicato dos Servidores do DF (Sindser), André Luiz da Conceição, afirmou que e medida anunciada pelo governador foi um “avanço significativo” nas negociações. “Pela primeira vez o governo manifesta o reconhecimento dos retroativos. É uma questão de honra para os servidores o recebimento desses valores.”

Entenda as greves

O governador Rodrigo Rollemberg anunciou a suspensão dos reajustes, concedidos de forma escalonada em 2013, alegando não haver dinheiro em caixa para fazer os repasses. A medida integra um pacote, que traz ainda aumento nas tarifas de ônibus e metrô, implantação de um plano de demissão voluntária nas empresas públicas, aumento de impostos e nos valores de entrada do zoológico e dos 13 restaurantes comunitários. O DF tem 141 mil servidores públicos na ativa.

Após a decisão, várias categorias do funcionalismo entraram em greve. O governador chegou a apresentar um plano para pagamento dos reajustes a partir de outubro de 2016, que desagradou os servidores.

Parte dos empregados só voltou ao trabalho depois de a Justiça decretar os movimentos ilegais. Médicos, funcionários do DER, agentes do Detran e professores seguem paralisados.

Colaborou Carolina Cruz