14maio/150

Lava Jato: Empreiteiro assina acordo de delação e vai devolver R$ 55 milhões

UTC

Dono da UTC cita nome de ex-ministro Lobão a investigadores da Lava Jato

O empresário Ricardo Pessoa, dono da UTC e da Constran, assinou nesta quarta-feira (13) um acordo de delação com a Procuradoria Geral da República em Brasília. No trato, ele prometeu revelar o que sabe sobre pagamentos de suborno na Petrobras e outras estatais.

Ele também se comprometeu a pagar uma multa de R$ 55 milhões, a segunda mais alta entre os delatores da Operação Lava Jato (a maior foi paga por um ex-gerente da Petrobras, Pedro Barusco, de US$ 97 milhões, o equivalente hoje a R$ 295 milhões)…

Pessoa passou cerca de quatro horas na sede da PGR, em Brasília, com os procuradores da República que trabalham nos inquéritos sobre políticos relativos à Operação Lava Jato. A Folha apurou que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, também participou da conversa.

Nas negociações para o acordo, Pessoa disse que deu R$ 7,5 milhões à campanha à reeleição da presidente Dilma Rousseff (PT) no ano passado, negociados com o tesoureiro Edinho Silva, ainda de acordo com Pessoa.

A doação, segundo Pessoa, visava evitar retaliações em contratos com a Petrobras, conforme a Folha revelou no último sábado (9). Atualmente, Edinho ocupa o Ministério da Secretaria de Comunicação Social.

Tanto ele quanto o PT negam ter recebido doações ilegais na campanha do ano passado.

Pessoa também citou o senador Edison Lobão (PMDB-MA) como beneficiário de propina na época em que era o titular do Ministério das Minas e Energia, no primeiro governo de Dilma Rousseff (2011-2014). O empresário contou que Lobão recebeu R$ 1 milhão para não criar empecilhos na obra da usina nuclear de Angra 3.

Dono da UTC cita nome de ex-ministro Lobão a investigadores da Lava Jato

O nome do senador Edison Lobão, ex-ministro de Minas e Energia, foi citado por Ricardo Pessoa, dono da UTC, a investigadores da operação Lava Jato. O nome do senador já havia sido mencionado por outros delatores da Lava Jato. Lobão é alvo de inquérito no STF (Supremo Tribunal Federal) por ter supostamente solicitado recursos para a campanha da ex-governadora do Maranhão Roseana Sarney.

Os depoimentos de Lobão e de Roseana estão previstos para a próxima semana, na sede da Polícia Federal em Brasília. Eles deverão esclarecer a investigadores a suposta participação no esquema de corrupção envolvendo a Petrobras.

Pessoa, considerado chefe do “clube vip” das empreiteiras, está sendo ouvido nesta quarta-feira (13), na sede da Procuradoria-Geral da República, em Brasília.

A viagem do empreiteiro foi autorizada na terça-feira (12) pelo juiz Sérgio Moro, que cuida da Lava Jato na 1ª instância judicial, em Curitiba (PR). A viagem foi solicitada pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot. Pessoa está prestes a firmar um acordo de delação premiada com o Ministério Público Federal.

Dono da UTC cita pelo menos cinco parlamentares em delação premiada

Valor

O empresário Ricardo Pessoa, dono da UTC e da Constran, cita pelo menos cinco pessoas com foro privilegiado em acordo de delação premiada que deve assinar nesta quarta-feira com a Procuradoria-Geral da República (PGR).

Pessoa é acusado de chefiar um cartel de empreiteiras nos contratos com a Petrobras. Desde janeiro, ele tentava negociar um acordo de delação com procuradores da força-tarefa da Lava-Jato no Paraná.

Mas, em uma série de conversas preliminares, investigadores entenderam que ele não contribuiu com fatos novos que justificassem um acordo de redução de pena nos casos que correm em primeira instância.

Como Pessoa citou pelo menos cinco políticos nessas conversas, o caso passou a ser tratado diretamente pela PGR, responsável por investigar pessoas com foro privilegiado.

O executivo será o primeiro dono de empreiteira a assinar um acordo de delação. Dois diretores da Camargo Corrêa também fecharam acordo.

 

 
Fonte: Por Mario Cesar Carvalho, Flávio Ferreira, Gabriel Mascarenhas e Rubens Valente, coluna Poder com foto de Avener Prado/Folhapress