25jul/130

Nove detidos por venda de jogos piratas no Shopping Popular do Gama

Cerca de 20 mil DVS piratas foram apreendidos durante operação

nove detidos

Agência Brasilia

Nove pessoas foram detidas e 20 mil jogos de videogame piratas apreendidos, durante fiscalização no Shopping Popular do Gama, realizada, hoje, pelo Comitê de Combate à Pirataria do Distrito Federal.

“A operação foi planejada a partir de um levantamento que realizamos no local nas últimas duas semanas e que apontou principalmente o comércio de jogos de videogame piratas”, explicou o diretor Operacional da Secretaria da Ordem Pública e Social (Seops), Ricardo Soares.

Os oito adultos, que estavam entre os detidos, foram levados à Delegacia de Combate aos Crimes Contra Propriedade Imaterial (DCPim) e autuados em flagrante com base na Lei 9.609/98 (Lei de Software) - a fiança foi estipulada entre mil e R$ 3 mil.

“Em caso de condenação, cada um poderá ficar de um a quatro anos preso, além de ter que pagar multa”, avisou a delegada da DCPim, Érika Borges.

O menor apreendido foi levado à Delegacia da Criança e do Adolescente (DCA) e deve responder pelo ato infracional.....

A ação, que é considerada a maior do ano em apreensão de mídias de jogos, começou por volta das 14h30 e envolveu cerca de 50 servidores da Seops, da DCPim e da Polícia Militar.

As mercadorias estavam expostas em 15 boxes das alas “A” e “C”, identificados durante a investigação.

As mídias recolhidas durante a operação serão levadas à Central de Guarda de Objetos de Crime (Cegoc), do Tribunal de Justiça do Distrito Federal, até a concessão de autorização para que sejam destruídas.

PERDA DA CONCESSÃO – O Shopping Popular do Gama é público e tem, ao todo, 961 boxes, distribuídos em quatro alas.

“Vamos enviar ofício à Coordenadoria das Cidades para informar quais bancas foram identificadas no comércio de pirataria para que o órgão abra processo administrativo contra os responsáveis”, informou o diretor Soares.

O contrato de concessão prevê que a permissão poderá ser cassada em caso de venda de mercadorias ilegais.