6ago/130

Reunião de Dilma com aliados acaba em bate-boca de senadores

Gim Argello (PTB) e Eunício Oliveira (PMDB) discutem na frente de Dilma

 por Claudio Humberto

 A reunião com a presidente Dilma Rousseff, no Palácio do Planalto, convocada para ajustar o diálogo entre governo e base aliada, terminou com discussão entre líderes pela indicação do relator da Comissão Mista do Congresso que vai analisar a Medida Provisória Mais Médicos. 

O imbróglio iniciou-se quando o líder do bloco União e Força, Gim Argello (PTB-DF), dirigindo-se ao líder do governo no Congresso, senador José Pimentel (PT-CE), disse que o sistema de rodízio de presidentes e relatores das comissões mistas prevê que o cargo seja agora do bloco comandado pelo PTB. E anunciou que indicaria o senador Eduardo Amorim (PSC-SE) para presidir a Comissão.

Logo após Gim Argello anunciar o nome de Amorim, o líder do PMDB, senador Eunício Oliveira (CE), tomou a palavra e afirmou que a indicação para a presidência da comissão era do partido e que o nome do escolhido não era o de Eduardo Amorim, mas o do senador João Alberto (PMDB-MA). “Criou-se um constrangimento esse bate-boca no final”, contou o líder do PSB, Rodrigo Rollemberg, que participou do encontro.....

Em meio ao “mal-estar” criado diante da presidente Dilma, coube ao vice-presidente da República, Michel Temer (PMDB), intervir e observar que ali não era o momento e nem o local apropriado para a discussão, que deveria se restringir apenas ao Senado. “O Michel Temer disse que era matéria interna corporis. Então vamos discutir isso Senado”, contou o senador Gim Argello. “É claro que coloquei essa questão na reunião, estavam todos os líderes presentes. Eu disse ao líder Pimentel que deve ter algum engano nessa indicação”, reconheceu Gim, que provocou a discussão, inconformado com a posição do líder governista.

O senador Eunício Oliveira, por sua vez, negou que tenha pleiteado a vaga da presidência da comissão durante encontro no Planalto. Ele justificou que foi o senador Pimentel quem disse que a vaga era do PMDB, sugerindo que, diante disso, é que o nome do partido era João Alberto. (Tânia Monteiro e Erich Decat, da Agência Estado)