5out/120

‘Saí de Minas por causa da ditadura, não para ir à praia’

A presidente Dilma Rousseff deu ontem duras respostas ao senador Aécio Neves (PSDB), que nos últimos dias classificou...

A presidente Dilma Rousseff deu ontem duras respostas ao senador Aécio Neves (PSDB), que nos últimos dias classificou sua participação na campanha eleitoral de Belo Horizonte como uma interferência "estrangeira" na política mineira. Dilma participou do comício final do candidato do PT à prefeitura da capital, Patrus Ananias, no bairro operário do Barreiro.

Mesmo sem citar diretamente Aécio - pré-candidato do PSDB na eleição presidencial em 2014 -, Dilma acusou o tucano de ter uma "visão mesquinha da vida" e afirmou que, durante a ditadura, saiu de Minas para escapar da perseguição política, não para "passear" ou "ir à praia", em clara referência à residência que o senador mantém no Rio de Janeiro.

Com expressão grave, a presidente disse várias vezes que queria dar algumas respostas a críticas que havia recebido. Na segunda-feira, Aécio, principal cabo eleitoral da campanha à reeleição do prefeito Marcio Lacerda (PSB), declarou que a "população conhece melhor que qualquer estrangeiro" em quem deve votar. "Eu nasci em Belo Horizonte (...) aqui em Belo Horizonte aprendi uma coisa importante, que os mineiros sempre tiveram: a capacidade de lutar por seu País. Aprendi a lutar aqui. Como sou estrangeira, se saí daqui porque lutei contra a ditadura? Não saí para ir à praia, não saí para passear. Saí porque começou aqui um forte processo de perseguição. Quero dizer a vocês aqui que na minha veia corre o sangue de Minas Gerais. Por isso sou presidente de todos os brasileiros", discursou, sob gritos de "Dilma, Dilma, Dilma". "Nunca antes na história do nosso Estado a política foi tão pequena.

Me chamam de estrangeira por não ser do partido deles", disse a presidente, em discurso inflamado de cerca de 25 minutos. Resposta. Em declaração divulgada por sua assessoria, Aécio considerou "lamentável" que a presidente gaste "a maior parte do seu tempo tentando convencer os mineiros de que ela é mineira de fato".

 "Ser mineiro vai muito além da certidão de nascimento", afirmou, classificando como "injustificável que depois de dez anos de governo do PT, questões essenciais para Minas(citou obras e os royalties do minério)" não tenham ainda solução. "Sou forçado a concordar com o ex-presidente Lula. Como ele já disse: 'A gente tem uma gaúcha governando esse País...'''

Fonte: Jornal Estado de São Paulo