16jan/160

Sistemas do GDF têm um caso de invasão e 6,8 mil tentativas em 2015

GDF diz ter gasto R$ 6 milhões para proteger informações em servidores.Dados foram obtidos pelo G1 por meio da Lei de Acesso à Informação

 Gabriel LuizDo G1 DF
Hacker tenta encontrar senha para invadir sistema (Foto: Pixabay/Divulgação)

Hacker tenta encontrar senha para invadir sistema (Foto: Pixabay/Divulgação)

Os sistemas de informática do governo do Distrito Federal sofreram 6,8 mil tentativas de invasão em 2015. Em apenas uma oportunidade, o hacker teve sucesso, em setembro. De acordo com a Secretaria de Planejamento, o GDF investiu cerca de R$ 6 milhões no ano passado para proteger os arquivos virtuais. Os dado foram obtidos pelo G1 por meio da Lei de Acesso à Informação.

Na maioria das tentativas de invasão foram usadas duas técnicas para quebrar códigos do GDF. Uma das estratégias é a de “força bruta”, quando são tentadas todas as possibilidades de senhas. Outra estratégia é conhecida como “ataque do dicionário”. Segundo o consultor Antônio Martino, cientista da computação, o método consiste em usar as senhas mais frequentes – como “123” – para tentar acesso ao sistema.

“O ataque do dicionário é mais refinado que o de força bruta. Ele pega palavra comuns da língua portuguesa ou termos frequentes e tenta combinações”, disse Martino ao G1. “Com o método do dicionário, o ataque fica mais efetivo e aumentam as chances de invadir os servidores.”

A Secretaria de Planejamento não informou o número de tentativas de invasão que ocorreram em 2014, por isso não é possível fazer um comparativo. “Isso ocorre pelo fato de que os equipamentos de segurança de rede, utilizados à época, foram substituídos em 2015 e não estão mais em operação.”

Segundo a pasta, não houve invasão a sites ou sistemas hospedados nos servidores do GDF naquele ano. A secretaria informou que ocorreram “diversos ataques” no período próximo à Copa do Mundo. À época, a intenção era sobrecarregar os servidores do governo. “O objetivo nesse caso não é roubar nem invadir nada, apenas tornar o ambiente indisponível aos usuários e cidadãos.”

Charge com crítica à corrupção em página do GDF invadida por hackers (Foto: Reprodução)

Charge com crítica à corrupção em página do GDF invadida por hackers (Foto: Reprodução)

Invasão às páginas do governo

No dia 17 setembro do ano passado, as páginas do GDF na internet foram invadidas. Ao abrir o site da Agência Brasília e demais páginas institucionais do Executivo, uma janela com a mensagem "sob nova administração" era exibida. Na ocasião, o governo retirou os serviços do ar e “recuperou” os espaços.

“Não ocorreu comprometimento de informações, tampouco de violação ou captura de qualquer tipo de dado institucional, que ficam em ambiente seguro e diverso do afetado”, informou a Secretaria de Planejamento. O governo não afirmou sobre o andamento das apurações para identificar o autor do ataque.

As páginas do GDF apareciam com uma charge sobre corrupção e um texto escrito "*** STOP CORRUPÇÃO *** Corrupção pra lá , Corrupção pra cá ! Será que isso nunca vai acabar ?".

"Enquanto aqueles que deveria cuidar da pátria, roubam o nosso dinheiro suado e deixam muitos Brasileiros na miséria. Cria falsa ilusão de segurança para GRINGOS vir ao "BraZil" e achar que ta tudo bem, não, por aqui nada bem".

O texto também faz referência à violência. "UPP = Maquiagem da favela / Pessoas de bem cada vez +++++ morrendo por balas perdidas ou até achadas em favelas "Pacificadas" e entrando pra triste Estatística ou talvez nem nela entre . Até quando ? Até quandoooooooo ?"

Ao final, os hackers se identificavam com codinomes e escreveram, em inglês: "Hackear não é um crime, é arte em protesto."