15dez/120

Verdades e mentiras da política do DF

 

1 - Goste ou não a oposição e congêneres, o governador do DF, Agnelo Queiroz (PT), foi o grande vencedor da eleição da nova Mesa Diretora da Câmara Legislativa. É a primeira vez na história política do que DF que uma chapa é eleita por unanimidade. Nem nos tempos do campeão de votos Joaquim Roriz tal fato aconteceu. Ao contrário, Roriz foi derrotado por uma articulação liderada pela deputada distrital Eliana Pedrosa. Um novo grupo até tentou repetir a história, mas não deu certo.

2 – Está sendo atribuído ao secretário de Justiça, Alírio Neto, a implosão da chapa alternativa para a eleição da nova Mesa Diretora da Câmara do DF.

3 – Na leitura de alguns políticos os grandes derrotados na eleição da nova Mesa Diretora da Câmara foram: Cristiano Araújo, o senador Gim Argelo, o dublê de secretário e deputado Alírio Neto e Rôney Nemer.

4 – Já os grandes vencedores foram: o líder do bloco PT/PRB, Chico Vigilante, o governador Agnelo Queiroz e o vice-governador Tadeu Filippelli (PMDB), que ajudou muito nos bastidores.

5 – O deputado distrital Olair Francisco (PTdoB), que odeia ser chamado de “folclórico”, cresceu muito na eleição da Câmara.

6 – O deputado Cristiano Araújo (PTB) recebeu vários torpedos ontem no seu telefone celular. Um deles era uma espécie de “nunca mais me procure”.

7 – A eleição da nova Mesa Diretora da Câmara foi uma verdadeira aula de como não se deve fazer política. Tentou-se usar métodos antigos em um novo tempo. Deu no que deu. Amadorismo na política nunca consegue qualquer êxito.

8 - O governador Agnelo Queiroz (PT) perdoou seus secretários Alírio Neto (PEN) e Cristiano Araújo (PTB) pela rebelião nas eleições da Câmara Legislativa. A derrota já é uma punição.

 9 – Ao contrário do discurso de alguns deputados, a Câmara Legislativa do DF é uma extensão do Palácio do Buriti. A vitória da chapa de Agnelo por unanimidade é uma prova irrefutável.

10 – A discussão de quem ocupará a vaga do Tribunal de Contas do DF poderá levar o presidente eleito da Câmara do DF, Wasny de Roure, a permanecer no cargo.

 11 - O deputado Evandro Garla (PRB) praticamente ganhou uma bancada ao jogar por terra o projeto de tomada da Mesa Diretora, iniciado pelo chamado "Blocão": a "bancada dos contra-Garla”.

12 – A “bancada do amor" votou unida na eleição da Câmara do DF.

13 – Os distritais com problemas estão morrendo de medo de que o deputado Chico Leite seja o novo Corregedor da Câmara.

14 - A Câmara Legislativa é o único lugar do planeta onde um investigado, no caso o distrital Raad Massouh (PPL), decide quem e quando irão investiga-lo. Ele pediu que fosse escolhido o corregedor do processo que corre contra ele na Casa, somente depois do recesso parlamentar. Os colegas apoiaram.

 15 – O novo presidente da Câmara do DF, Wasny de Roure, terá um grande problema pela frente: resolver os processos que envolvem verbas publicitárias. O atual presidente Patrício (PT) mais atrapalhou do que ajudou.
16 - Distritais sob o risco de cassação votaram apreensivos a favor do deputado Wasny de Roure (PT). Não tiveram tempo de acordar a proteção.

17 - Também caberá a Wasny de Roure tocar adiante ou recusar, o processo instaurado pelo presidente Patrício (PT) para a compra de armamentos para os seguranças da Casa, chamados de "Polícia Legislativa".

18 - É bom lembrar que Patrício comprou para a Câmara um aparelho de rastreamento e interceptação telefônica, o "Guardião". Sabe-se lá para qual finalidade.

19 - O deputado Washington Mesquita, que abandonou a oposição para apoiar o governo do DF, percebeu que esse apoio nem sempre é recíproco. Apesar de ter o nome garantido pelo Buriti para assumir a 1a Secretaria da Mesa, Mesquita ficou praticamente sozinho quando o seu nome foi colocado como candidato e, antes mesmo de ir para o voto, decidiu abandonar a candidatura natimorta.

20 - Eleito com a força do padre Moacir, o deputado distrital Washington Mesquita (PSD) demonstrou que não dá um passo sem seu mentor espiritual, mas caiu na real que a força do religioso não é mais tão indiscutível assim na Casa.

21 - O Padre Moacir negociou, negociou, mas ficou de fora da Mesa Diretora. Seu protegido, deputado Washington Mesquita (PDD) não conseguiu convencer seu bloco e acabou forçado a deixar a vaga para sua líder, a Eliana Pedrosa.
22 - Apesar de terem vendido a imagem de que Washington teve uma atitude grandiosa ao deixar a 1a Secretaria para Eliana Pedrosa, Washington Mesquita saiu do Plenário bradando a quem quisesse ouvir que estaria fora do PSD. Seu destino mais certo seria o PTB de Gim Argelo.

23 -  O deputado Agaciel Maia (PTC) e vice na chapa de Wasny de Roure, conquistou a confiança do governador Agnelo Queiroz pela firmeza de posição na disputa da Câmara do DF